Justiça ordena e casal homoafetivo terá que devolver criança adotada

Ler na área do assinante

No estado de Goiás, um casal homoafetivo vem enfrentando uma batalha judicial para tentar manter a adoção a que deram início.

Juliano Peixoto de Pina e Johnatan Pereira de Araújo vem disputando a guarda de uma bebê de 11 meses com a suposta madrinha da criança. O casal que adotou a menina foi obrigado pelo Tribunal de Justiça do Estado de Goiás a devolver a pequena Thays Veiga Miranda Lopes para a mulher que ficou responsável por ela desde seu nascimento.

No próximo dia 15, ocorrerá um novo julgamento para determinar com qual família a criança deve ficar. A mãe da menina é dependente química.

Segundo relatos da mulher que cuidava de Thays, a bebê ficou sob sua responsabilidade desde o nascimento por quase dois meses e disse que a situação está, inclusive, documentada pelo Conselho Tutelar.

Mas para Juliano e Johnatan, a situação era de ‘família acolhedora’, quando uma pessoa fica responsável pela criança temporariamente, até que interessados na adoção passem pelos processos legais.

“No dia 22 [de setembro de 2020], a gente assinou a documentação e começou nossa batalha. A família acolhedora não quis entregar a criança. Montamos o quarto, compramos roupas, material de higiene, fraldas, e elaboramos toda uma logística para recebê-la. Foi emitido mandado de busca e apreensão, e ela [a bebê] chegou”, contou Juliano em um vídeo publicado nas redes sociais.

Já a mulher que cuidava da criança diz não haver razão para que sejam separadas:

“Fui surpreendida porque eu deveria entregar [a criança] a eles. Venho convivendo com ela e cuidando dela desde que ela nasceu, dando suporte para ela e outros irmãos. Ela tem família, não é desamparada. Não tinha nenhum motivo para retirar ela daqui”, alegou ela, também em vídeo.

A bebê ficou com o casal por apenas 12 dias, quando o Tribunal de Justiça os obrigou a devolver a menina à madrinha.

Agora, Juliano e Johnatan questionam os motivos para que a criança tenha sido devolvida, e consideram a decisão do TJ ilegal, já que famílias acolhedoras não podem adotar a criança abrigada.

“O sentimento é de que tem um preconceito velado por sermos um casal homoafetivo. Somos habilitados para a adoção; a lei nos ampara. Juridicamente, a família acolhedora não tem direito de adotá-la, justamente para evitar adoções à brasileira, como ocorreu. A família que acolheu provisoriamente não está apta, não passou pelo processo previsto no SNA (Sistema Nacional de Adoção)” apontam eles.

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário, cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar