Bolsonaro sai em defesa do trabalhador e afirma que Exército não será usado para “obrigar o povo a ficar em casa”

Ler na área do assinante

Em defesa do cidadão brasileiro que está protestando em várias cidades do país para ter o direito de trabalhar em lugares onde estão sendo realizados lockdowns rigorosos, o presidente Jair afirmou, nesta segunda-feira (8), que o Exército não irá "obrigar o povo a ficar em casa".

Bolsonaro ainda acrescentou que poderia decretar um lockdown em todo o país, mas que não fará isso; porque "alguns estão se excedendo".

“Alguns querem que eu decrete lockdown. Não vou decretar. E pode ter certeza de uma coisa: o meu Exército não vai para a rua para obrigar o povo a ficar em casa. O meu Exército, que é o Exército de vocês. Fiquem tranquilos no tocante a isso daí. Agora, vamos ver até onde o Brasil aguenta esse estado de coisas. Eu quero paz, tranquilidade, democracia, respeito às instituições. Mas alguns estão se excedendo”, desabafou aos apoiadores que faziam “plantão” do lado de fora do Palácio da Alvorada.

Desde o início de 2020, quando a pandemia da Covid-19 iniciou no Brasil, o presidente critica as medidas de distanciamento e isolamento social, impostas por prefeitos e governadores, na tentativa de diminuir o contágio da doença.

E completou:

“No Japão, não tem ‘fica em casa’. E é uma população, acho que, talvez, a mais idosa do mundo. Mas, lá, ninguém estava unido para derrubar o presidente. Assim é quase no mundo todo. Raro são os países que estão aproveitando a pandemia para tentar derrubar o presidente”, disparou.

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário, cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

Fonte: Globo

da Redação
Ler comentários e comentar