Durante sequestro, Queiroz disse que era funcionário de Freixo e foi liberto por traficantes

Ler na área do assinante

Nesta sexta-feira, 12, uma história inusitada surgiu.

Trata-se de um sequestro sofrido por Fabrício Queiroz no ano de 2015.

Segundo as informações, no dia 28 de outubro daquele ano, Queiroz dirigia um carro cedido pela Alerj (Assembleia Legislativa do Rio) quando, devido a congestionamento nas ruas, resolveu "pegar um atalho" por dentro da comunidade Cidade de Deus.

Ele afirmou que deparou-se com cerca de três homens, todos portando pistola e foi obrigado a parar. Quando saiu do carro, os criminosos verificaram que ele também estava armado. Queiroz levou uma coronhada na cabeça, o que resultou em um corte. Em seguida, foi levado para dentro da comunidade.

Em depoimento à Polícia, horas mais tarde, Queiroz disse que "somente conseguiu convencer os três nacionais a liberá-lo, depois de se identificar como funcionário do deputado Marcelo Freixo. Em razão do argumento utilizado, logrou êxito em ser liberado".

De acordo com o próprio Marcelo Freixo, na época do sequestro o caso virou “piada” dentro da Alerj.

"Essa história ele contou brincando para os meus seguranças. Nunca soube que ele falou isso na delegacia. Ele foi assaltado esse dia e falou, rindo, para a minha equipe: 'só fui libertado por causa do Freixo'. Ele contou como uma brincadeira e ele, provavelmente, botou para depois vazar e construir a ideia de que eu sou amigo de traficante", afirmou o psolista.

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário, cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

Fonte: Uol

da Redação
Ler comentários e comentar