Lula perde primeiro embate contra um Bolsonaro

Ler na área do assinante

O juiz Alex Costa de Oliveira, da 4ª Vara Cível de Brasília, negou o pedido do ex-presidente e ex-presidiário, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), para condenar o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) a indenizá-lo por danos morais. A sentença foi prolatada nesta terça-feira (16).

Com a determinação, a família de Lula terá de pagar as custas processuais e os honorários, calculados em 10% sobre o valor da causa.

O petista e os três filhos dele entraram na Justiça em razão de uma mensagem publicada por Eduardo Bolsonaro no Twitter envolvendo a falecida esposa do ex-presidente, Marisa Letícia. Em abril de 2020, o deputado federal retuitou um post a respeito da decisão judicial que questionou as unidades de CDB que Marisa possuía. O parlamentar compartilhou a publicação e escreveu: “Os R$ 256 milhões de Dona Marisa...”

Em 2020, a 1ª Vara da Família e das Sucessões, que fazia o inventário da ex-primeira-dama, pediu esclarecimentos a Lula sobre aplicações da esposa, morta em 2017. Inicialmente, o juiz Carlos Henrique André Lisbôa havia indicado um investimento total de R$ 256,6 milhões. Depois, ele reconheceu que o valor pertencente à Marisa era R$ 26 mil e não R$ 256 milhões.

Lula, Marcos Cláudio, Fábio Luís e Luís Cláudio ingressaram com uma ação no Tribunal de Justiça do DF e dos Territórios (TJDFT) contra Eduardo Bolsonaro, alegando que o deputado foi ao Twitter “de maneira leviana” fazer “afirmação falsa de que Marisa possuía um patrimônio imaginário de R$ 256 milhões”.

O petista e os filhos pontuaram que o parlamentar “maculou publicamente a memória” da ex-primeira-dama e pediram indenização por danos morais de R$ 131,4 mil.

O magistrado entendeu que a mensagem de Eduardo Bolsonaro no Twitter não é falsa.

“O que se tem, portanto, é que o réu não retweetou ou repercutiu informação falsa. Era verdadeira a informação de que o juízo do inventário havia pedido esclarecimentos sobre a quantia que poderia ser encontrada com as informações contidas naqueles autos”.

E completou que a dúvida de Eduardo Bolsonaro era justificável.

“O conteúdo da decisão no inventário trouxe, a princípio, singular curiosidade à população em geral, pois se os cálculos realizados pelo juiz estivessem corretos apresentariam patrimônio partilhável compatível apenas com o de megaempresários, o que não era o caso, tal como esclarecido posteriormente pelos autores”, destacou.

Por isso, ele disse:

“Não se vislumbra que o exercício da liberdade de expressão tenha ultrapassado sua finalidade social e econômica, a boa-fé ou os bons costumes, em razão da relevância do caso, repercutido também pela imprensa”.

E concluiu que, “nesse contexto, o réu, ao inserir o caractere, ao final de sua frase original, expressou seu sentimento de dúvida. Não foi taxativo, não foi raivoso ou ofensivo. E posso afirmar que, provavelmente, foi o mesmo sentimento do juiz do inventário, embora ele não tenha expressado com um emoji ao final na decisão”, finalizou.

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário,

cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar