Sobre o uso e o abuso de poder, por bem ou por mal; pelo convencimento ou pela força bruta

Ler na área do assinante

O Professor Olavo de Carvalho ensina que só tem poder aquele que se faz ser obedecido; aquele que de alguma maneira vê suas ordens serem cumpridas. Assim ele explica o fenômeno, bem objetivamente mesmo.

Nesse contexto é que diferencia o ilustre professor o que ocorre no Brasil atualmente, onde um Presidente da República, eleito por ampla maioria de votos, amado pelo povo, que o apoia em todas as suas ações e se vê nele representado, simplesmente não consegue se fazer ser obedecido, por causa de “n” fatos, dentre eles as sabotagens institucionais e o evidente caráter democrático do qual é imbuído o Presidente, de seguir à risca a separação de poderes e a ordem legal e constitucional do país, enquanto, por outro lado, um órgão como o STF, integrado por 11 ministros odiados pelo povo, que não escolheu nenhum deles para tomarem decisões tão impactantes ao país, se faz obedecido por todos, na base da intimidação e coação institucional e especialmente pelo medo.

Esse mesmo fato casuísta ocorre institucionalmente de cima para baixo, e se espalha verticalmente pela sociedade, saindo da esfera federal e desembocando nas ações menores país afora que vemos hoje todos os dias, com policiais e guardas municipais levando pessoas presas porque estão trabalhando, multando cidadãos que estejam caminhando pelas ruas, e outras arbitrariedades e abusos que cansamos de testemunhar, à exaustão.

Muito já se escreveu sobre o fenômeno “poder”. O assunto é debatido desde a Grécia Antiga. Eu mesmo: poderia ficar horas divagando, discorrendo, fazendo a diferenciação dos tipos de poder e suas formas de exercício (político, econômico, familiar, etc), mas acabaria me afastando do que pretendo aqui – além de correr também o sério risco de ser pernóstico e cansativo com esse texto. Mas quem quiser uma indicação de um livro extremamente importante para entender o fenômeno de "poder", confira a obra de Gene Sharp, Da Tirania à Democracia, bastante acessível a todos, encontrada até em PDF na internet.

O que importa agora é estabelecer que, tal como explicou de forma objetiva o Professor Olavo de Carvalho, ter poder é se fazer ser obedecido – não importa como: ou por bem ou por mal; pelo convencimento ou pela força bruta.

Fiquemos, portanto, com essa afirmação contundente e objetiva.

Por isso que os agentes públicos fazem o que fazem pelas cidades hoje, levando o caos à vida dos cidadãos, que sem mais essa e mais aquela não conseguem mais seguir rotinas comezinhas, como sair às ruas para comprar um pão na padaria, abastecer o carro, ou ir à praia, por causa da intimidação de guardas municipais e agentes de segurança.

A conclusão lógica que daí advém é que toda e qualquer mudança de paradigma dessas pessoas que aterrorizam a sociedade atualmente passa por um único caminho: a retirada do seu poder. Nesses termos, eis meu recado aqui, para todos que quiserem ouvir:

- Desobedeça. Está na hora de provarmos a eles que eles não têm poder sobre nós. Se receber alguma ordem esdrúxula de um guarda municipal ou um policial, não a cumpra. Grave vídeos. Vá à mídia. Exponha o indivíduo. Peça apoio dos transeuntes que estiverem por perto.

- E se nada disso der certo, e for levado à delegacia ou receber uma multa por infração de alguma postura pública, contrate um advogado para questionar na Justiça da sua cidade, local adequado para a discussão jurídica da matéria, as ilegalidades praticadas pela administração pública.

Só se retira poder de alguém assim. Desobedecendo as suas ordens.

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário, cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

Ler comentários e comentar