A um passo da ditadura...

A declaração do presidente da Venezuela nesta terça-feira (17) desnuda às completas o seu objetivo.


Nicolas Maduro disse em entrevista para a imprensa internacional, que a Assembleia Nacional desaparecerá em breve.

‘A Assembleia Nacional perdeu vigência política. É uma questão de tempo para que desapareça", afirmou Maduro.

O atual parlamento venezuelano foi eleito há poucos meses, em janeiro, traduzindo-se em uma avassaladora derrota de Maduro, com a eleição de esmagadora maioria oposicionista.

O resultado da eleição levou para a presidência da Assembleia Nacional, um dos mais aguerridos opositores de Maduro, Henry Ramos Allup, que logo após assumir o cargo, diante da inexpressiva popularidade do presidente, indicada por inúmeras pesquisas, propôs o referendo revogatório do mandato chavista, conforme preceitua a Constituição.

Diante dos recentes acontecimentos no Brasil, com o afastamento da presidente Dilma Rousseff, a população venezuelana saiu às ruas pelo referendo. Por outro lado, a oposição já entregou 1,8 milhão de assinaturas ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE), nove vezes mais que o exigido na primeira etapa do processo.

Diante da situação, acuado e impopular, Maduro deve partir para o franco enfrentamento.

Nesta terça-feira (17), a rejeição pelo parlamento do decreto presidencial de estado de exceção e emergência econômica - que aumentaria o poder dos militares na distribuição dos alimentos e elevaria a intervenção estatal no setor privado – pode significar a gota d’água para o embate.

A medida foi rejeitada sob a justificativa de que o decreto evidencia as supostas pretensões ditatoriais do chavista.

O clima é extremamente tenso e o desfecho imprevisível.

da Redação

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Internacional