Polícia acredita que homem fuzilado com 60 tiros pode ter ligação com o PCC

Ler na área do assinante

Geraldo Ramos Villa, 36 anos, já havia sofrido três atentados, entre 2007 e 2015. Ele morreu em frente da casa onde morava, em Campo Grande (MS), fuzilado com mais de 60 tiros, na sexta-feira (16). A polícia investiga se ele tinha ligação com a facção criminosa “PCC” (Primeiro Comando da Capital).

Após o crime, na noite de sábado (17), um veículo foi encontrado incendiado em uma área rural da região de Itamaracá. O carro passará por perícia, pois a polícia acredita que ele pode ter relação com a morte de Villa.

A investigação aponta para uma possível ligação entre Geraldo e o PCC porque as armas utilizadas para executar o homem, um fuzil 556 e outro 762, geralmente, são usados por facções criminosas. Somente, em 2007, ele foi vítima de dois atentados e também cometeu um homicídio e, em 2015, havia sofrido mais uma emboscada.

O crime ocorreu na sexta de noite, quando Geraldo guardava o carro na garagem de casa. Os bandidos chegaram em uma HB20 prata, desceram do veículo e iniciaram os disparos contra ele. Mais de 60 tiros o acertaram. Os atiradores fugiram em seguida.

A perícia encontrou 57 cápsulas no local, além de quatro munições sendo três percutidas e não deflagradas. Também foram recolhidos no local dois aparelhos celulares que estavam ao lado do corpo de Geraldo.

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário,

cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar