Grupo LGBTIQ+ age e influenciadora digital é obrigada a apagar vídeo em que defende casamento entre homem e mulher

Ler na área do assinante

A Justiça colombiana determinou que a youtuber Kika Nieto exclua do seu canal um vídeo no qual defende o casamento entre homem e mulher. O caso foi parar na Justiça depois que militantes LGBTIQ+ moveram processos contra a influenciadora digital.

No vídeo de 2018, sobre perguntas e respostas, Kika dá a sua opinião sobre casamento e afirma que esse tipo de aliança é constituída apenas por um homem e uma mulher.

“Deus criou o homem e a mulher para que pudessem estar um com o outro. Não considero que homens ou mulheres estarem com pessoas do mesmo sexo seja bom, mas tolero isso”, afirmou, corajosamente, na internet.

Após decisão da Justiça, a colombiana postou outro vídeo na plataforma e detalhou o processo ao qual foi submetida.

“Todos devem ser livres para compartilhar suas crenças em público. Quero ser autêntica com meus seguidores sem ser censurada ou temer sanções criminais”, reclamou.
“Não quero que os outros tenham medo de expressar suas crenças. Ao falar abertamente, espero inspirar mais tolerância em relação a diferentes opiniões”, acrescentou.

A influencer possui mais de sete milhões de inscritos no seu canal e entrou com um apelo ao Tribunal Constitucional da Colômbia para a anulação da ordem.

As ONGs “Nueva Democracia”, que defende a liberdade de expressão, e a “Alliance Defending Freedom (ADF)”, que protege e promove a liberdade religiosa, demonstraram apoio à influenciadora digital.

O diretor da “Nueva Democracia” na América Latina e Caribe, Cristian Rojas, afirmou que todos devem ter o direito de expressar suas opiniões sem ser censurado.

“Todos devem ser livres para expressar suas crenças e convicções de fé sem medo de censura. O direito de Nieto de expressar livremente suas opiniões e compartilhá-las publicamente é protegido pela Constituição colombiana”, disse ele.

A decisão está prevista para o próximo mês, caso o Tribunal Constitucional aceite o pedido para a revisão da ocorrência, informou o The Christian Post.

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário,

cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

Fonte: Oeste

da Redação
Ler comentários e comentar