“A China sem o Brasil não é nada”, afirma mestre em Direito Público (veja o vídeo)

Ler na área do assinante

O advogado Renato Gomes, mestre em Direito Público, acredita que as últimas declarações do presidente Jair Bolsonaro estão “dentro do script” e que é uma “resposta às manifestações do 1º de maio”.

Em entrevista à TV Jornal da Cidade Online, Gomes lembrou que “o estado de direito precisa ser resgatado. A Constituição precisa ser obedecida e cumprida por todos. Ela tem que parar de ser manipulada, seja por meio de princípios, seja manipulando semanticamente os trechos de lei”, ressaltou.

Na leitura do advogado, o decreto proposto pelo presidente não pode ser contestado porque faz parte da Constituição, já que o presidente quer fazer valer o artigo 5º da Constituição.

“O STF não pode dizer que é inconstitucional. Ou seja, o guardião da Constituição dizendo que cumprir o artigo 5º é inconstitucional. Seria o ápice da autofagia. É a carta branca do Supremo para o Bolsonaro acabar com a farra definitivamente”, frisou.

Renato observou que a CPI da Pandemia já nasceu, politicamente, morta.

“Eles estão usando essa CPI como palanque para 2022. Eles estão achando que será o mesmo sistema em 2022 e o Bolsonaro já disse que não será. As máscaras estão caindo”, afirmou o advogado.

Sobre a atuação do Partido Comunista Chinês no Brasil, o advogado acredita que a “China é muito mais refém do Brasil do que o Brasil da China” e que “está na hora do Brasil se comportar como uma República e não uma republiqueta. A China sem o Brasil não é nada”, completou.

Veja o vídeo:

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário, cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar