Zambelli escancara a "preguiça" de deputado psolista: "Está com preguiça ou resolveu mentir?"

Deputada rebate tuíte de Marcelo Freixo sobre voto impresso e o convida a, pelo menos, conhecer a lei antes de criticar e distorcer

Ler na área do assinante

Desde que o senado abriu uma consulta pública sobre a PEC do Voto Impresso Auditável, em tramitação no Congresso Nacional, parlamentares governistas e de oposição tem subido o tom nas redes sociais.

Nesta sexta-feira (7), a deputada federa Carla Zambelli (PSL-SP) rebateu um tuíte do psolista do Rio de Janeiro, Marcelo Freixo.

O parlamentar fluminense, ferrenho opositor de Jair Bolsonaro escreveu:

“Todo miliciano é defensor do voto impresso”.

Na frase, Freixo tentava relacionar o voto impresso a uma forma de milicianos controlarem o voto dos cidadãos, aos moldes do antigo coronelismo ou voto de cabresto, quando o voto no Brasil ainda era preenchido à mão.

Mas Zambelli logo esclareceu que o colega estava, no mínimo desinformado sobre a lei, ou mesmo teria preguiça em querer compreender a mesma:

“Deputado, está com preguiça de ler a PEC ou resolveu mentir para seus eleitores mesmo? O comprovante do voto será depositado de forma AUTOMÁTICA e SEM CONTATO MANUAL do eleitor. Não há a menor possibilidade de um miliciano (ou traficante, se preferir) violar o sigilo do voto!”

A deputada federal Bia Kicis também publicou um tuíte em que esclarecia o que está proposto na PEC:

“Não vamos nos intimidar com as desinformações e Fakenews. Ninguém quer abandonar as urnas eletrônicas, queremos urnas eletrônicas de 2ª geração, com impressão de votos e auditável”

Nas respostas dos internautas à Bia Kicis, eram muitas as reclamações sobre a dificuldade de votar no SIM, na consulta do Senado.

Foram centenas de mensagens sobre a não atualização de dados após votação, o travamento de página ou mesmo a impossibilidade de acesso ao sistema, após várias tentativas:

“Bia, a consulta pública do Senado está intermitente quando é para o voto "Sim". Desde ontem ela contabiliza a mesma proporção entre os votos SIM e NÃO, mesmo com uma grande campanha nossa. Não é a primeira vez que o site do Senado tem esse problema” tuitou um deles
“O que está acontecendo com o site!? Não está computando votos da Direita”, escreveu outro
“Votei na página do senado e percebi que mesmo mudando o número de votos, a proporcionalidade não altera e sempre o não fica na frente. Tenho motivo pra suspeitar que está havendo manipulação no algoritmo desse software”, publicou um terceiro.

Até as 15h38 da tarde deste domingo (9), a consulta contabilizava quase 361 mil votos a favor do voto auditável, e quase 389 mil contrários. Resultado que, curiosamente, bate de frente com outra pesquisa rápida sobre o mesmo tema, realizada pelo site da Jovem Pan. Foram 13 mil e 7 votos, com o massacrante índice de 98,3% dos eleitores favoráveis ao voto eletrônico impresso e auditável.

Como disseram alguns internautas … “tem caroço nesse angu”.

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário, cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar