Planalto corta cartão de crédito e restringe viagens de Dilma Rousseff

Desde quarta-feira (1º) o cartão de crédito para suprimento da presidente afastada Dilma Rousseff está cortado, por determinação do governo interino.

As despensas do Palácio Alvorada terão que ser abastecidas com o salário que Dilma continuará recebendo até o dia da votação do impeachment.

A presidente ficou transtornada com a medida, que considerou ato de extrema ‘mesquinharia’ da equipe de Michel Temer.

Um dia após o corte do cartão, ou seja na quinta-feira (2), um parecer elaborado pela subchefia de assuntos jurídicos da Casa Civil determinou a suspensão do uso de aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) pela presidente afastada Dilma Rousseff. Com isso, Dilma só poderá solicitar a aeronave para ir para o Rio Grande do Sul, onde reside. 

Em Porto Alegre, nesta sexta-feira (3), onde participava de um evento, Dilma, extremamente contrariada, criticou a medida.

‘Hoje houve uma decisão da Casa Civil ilegítima, cujo objetivo é proibir que eu viaje. É um escândalo que não eu não possa viajar para o Rio, para o Pará ou qualquer outro lugar’, disse a presidente. Dilma justificou que não pode pegar um avião comercial, como qualquer outra pessoa faria, porque a Constituição determina que é preciso haver um aparato de segurança fazendo sua escolta. ‘Então temos uma situação que tem de ser resolvida, porque eu vou viajar’, finalizou.

da Redação

da Redação

Comentários

Leia mais...

Mais em Política