Gilmar quer investigação de delegado que enquadrou Toffoli

Ler na área do assinante

O Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes quer que Procuradoria Geral da República (PGR) investigue o delegado Bernardo Guidali Amaral, responsável pela condução das investigações no âmbito das delações de Sérgio Cabral - ex-governador do Rio de Janeiro, atualmente preso, condenado há quase 300 anos de cadeia.

Segundo Mendes, que acaba de votar pela anulação do acordo de colaboração premiada do ex-governador com a Polícia Federal, em análise no pleno do STF – de forma virtual – o delegado estaria conduzindo o caso com indícios de abuso de autoridade e violação de segredo profissional.

A delação de Sérgio Cabral, que havia sido homologada pelo ministro Edson Fachin, voltou à pauta, dessa vez para votação de todos os onze membros do colegiado, depois que a PF encaminhou ao Supremo um pedido para investigar o ministro Dias Toffoli, por possíveis irregularidades que ele teria praticado enquanto ocupava a cadeira do Tribunal Superior Eleitoral, entre 2012 e 2016.

Segundo o ex-governador fluminense, Toffoli teria recebido R$ 4 milhões, por intermédio do escritório de advocacia de sua esposa, Roberta Rangel, para votar favoravelmente a dois prefeitos do estado do Rio de Janeiro, em processos eleitorais que poderiam cassar seus mandatos.

Mas, segundo Gilmar, Cabral teria dado diversos depoimentos, o que o ministro chamou de “conta gotas”, e que isso possibilitaria que Toffoli fosse investigado e provas produzidas contra ele, sem que o STF permitisse, em função do foro por prerrogativa de função (ministros do STF só podem ser investigados com permissão do colegiado, que também será o responsável pelo julgamento).

Enfim, o ministro Gilmar Mendes afirmou em seu voto que o delegado Bernardo Guidali Amaral teria cometido atos ilegais pois teria conduzido investigações contra diversas autoridades detentoras de foro, sem a devida autorização do STF.

Quem seriam estas autoridades. Teria a água batido no queixo de mais alguém?

Combater corrupção no Brasil é assim – com o cachorro correndo atrás do rabo … Os policiais, delegados e promotores dão duro, descobrem, analisam, colhem provas e etc … mas tem alguma lei que proíbe tal depoimento, um outra regra que impede tal investigação, a constituição que protege alguns “semideuses” … e a vida deles segue feliz e tranquila, enquanto os que combatem o crime, acabam criminalizados!

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário, cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar