O velho mundo do envelhecido Partido Novo: O voto derrotado com a esquerda putrefata

Ler na área do assinante

Está no site do Partido Novo (https://novo.org.br/novo/posicionamentos/) um capítulo sobre os seus posicionamentos ideológicos.

Dentre eles:

"Estado Simples, Leve e Eficiente:
- Estado sem estatais e sem participações em qualquer empresa.
- Parcerias, concessões e privatizações para a infraestrutura."

Simples, e com clareza meridiana de entendimento.

Pois bem.

Na madrugada do último dia 20 de maio, o plenário da Câmara dos Deputados votou a Medida Provisória (MP) 1.031, que definiu as bases e condições para a privatização da Eletrobras.

Foram 313 votos favoráveis, 166 contrários e 5 abstenções.

A grande surpresa entre os votos contrários foi a posição da bancada do Partido Novo que, mesmo sendo o mais radical defensor das privatizações, aliou-se à extrema esquerda e à oposição e votou contra a Medida Provisória, sob o argumento de "defender o texto original enviado pelo Governo".

Quando se trata de coerência política, o exemplo arrasta.

Esse fato é de grande relevância na análise do atual cenário político do Brasil, pois pega de calças curtas, numa contradição absoluta e absurda, o Partido com a mais clara, veemente e definida linha programática que temos atualmente no sistema eleitoral brasileiro.

O que se constata, pelo menos neste episódio, é que o simpático e importante Partido Novo, de novo não teve nada.

A depender deles, a Eletrobras seguiria sendo o que é: uma empresa estatal inchada, aparelhada e sob o controle de um Estado burocratizado, pesado e ineficiente.

A posição velha do Novo, simbolizado pela emblemática cor “laranja”, deixou seus parlamentares de mãos dadas ao “vermelho” de toda a esquerda festiva.

Já seus eleitores, por certo, também ficaram “vermelhos” de vergonha ou "roxos" de raiva.

Definitivamente, o Brasil não é para amadores.

Só rindo deste velho mundo novo!

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário, cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

Foto de Luiz Carlos Nemetz

Luiz Carlos Nemetz

Editorialista do Jornal da Cidade Online. Advogado membro do Conselho Gestor da Nemetz, Kuhnen, Dalmarco & Pamplona Novaes, professor, autor de obras na área do direito e literárias e conferencista. @LCNemetz

Ler comentários e comentar