Três ex-ministros do STF saem em defesa de Dias Toffoli e atacam delegado da PF

Ler na área do assinante

O jornal Folha de S.Paulo publica em sua edição desta quarta-feira (26) artigo assinado por três ex-ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) em defesa do ministro Dias Toffoli.

Sepúlveda Pertence, Eros Graus e Nelson Jobim assinam o texto denominado “Delação como arma de calúnia”.

Para os ex-magistrados “As colaborações premiadas voltaram à arena pública recentemente. Infelizmente, de forma infame, com acusações do ex-governador Sérgio Cabral contra o ministro José Antonio Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal. Acusações endossadas por delegado da Polícia Federal e vazadas para virar manchete.”

Assim, o trio de articulistas não poupa a imprensa:

“No caso da imprensa, quando os supostos operadores do esquema sequer são ouvidos antes da publicação, ocorre, na prática, mais uma tentativa de assassinato de reputação. Por justiça, cabe a ressalva de que a ampla maioria da mídia não deu crédito às alegações. Fez o básico: antes de publicar, analisou os elementos vazados e ouviu as pessoas citadas, que desmentiram categoricamente o delator. Mas basta um veículo, a fagulha. Os inimigos da corte e as redes sociais fazem o resto.”

Curioso é que foi justamente a Folha de S.Paulo que revelou os fatos e deu o ‘furo’.

A intenção do texto, além de desacreditar o delator – “O ponto central aqui não é a falta de credibilidade do delator, condenado a mais de 300 anos de prisão.” – é detonar o delegado que conduziu o inquérito.

“Quando um delegado, agente do Estado, a partir da palavra de um delator, investiga um ministro do STF sem autorização e conhecimento da corte e pede abertura de inquérito sem apresentar mínimas provas a corroborar as declarações, há uma sequência de atos ilegais. O ônus da prova ainda cabe a quem acusa.”

E, claramente, a terceira intenção dos articulistas, é demonstrar que todo o apoio ao ministro Dias Toffoli, é também a defesa do STF como instituição:

“O STF, por seu papel contramajoritário e pela firme defesa da Constituição e da democracia, tornou-se alvo de manobras de desprestígio que vão além das críticas a seu exercício jurisdicional. Trata-se de verdadeira campanha de deslegitimação e desmoralização da corte e seus membros, a qual serve a propósitos escusos.”

E arrematam:

“É preciso separar o joio do trigo e não alimentar suspeitas infundadas contra as instituições e seus integrantes. Isso vale para os órgãos de investigação e para a imprensa. Divulgar palavras de delatores sem o mínimo de lastro probatório e a necessária checagem, em nome do ‘furo’ jornalístico e do espetáculo, é contribuir com a subsistência desse fenômeno nefasto que assombra o Brasil e outras nações do mundo. O antídoto para isso está na ação zelosa dentro das balizas bem demarcadas no texto constitucional.”

Cabe ao leitor tirar suas próprias conclusões.

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário, cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar