Irmão de traficante Sandra Sapatão, que é assessor de deputada do PSOL, já teve passagens pela polícia

Ler na área do assinante

Antonio Carlos Ferreira Gabriel, irmão de Sandra Helena Ferreira Gabriel, mais conhecida como "Sandra Sapatão", mulher acusada de chefiar o tráfico de drogas na favela do Jacarezinho, na Zona Norte do Rio, integra a equipe do gabinete da deputada estadual Dani Monteiro (PSOL), no Rio de Janeiro.

O Rumba, como é mais conhecido, é assessor parlamentar da deputada. Já Dani é uma crítica voraz à “Operação Exceptis”, que matou 27 homens ligados ao tráfico, além de um policial civil, no dia 6 de maio. Todas as mortes ocorreram em confronto entre a polícia e os bandidos.

“Sandra Sapatão” foi presa novamente no dia 21, após perícia nos celulares apreendidos durante a “Exceptis”.

Em 2007, ela integrava a lista dos dez bandidos mais procurados do Rio de Janeiro. Em 2010, ela chegou a ser a única mulher em um presídio federal de segurança máxima. Porém, em 2014, ela saiu em liberdade provisória e não retornou mais à prisão, sendo considerada evadida do sistema prisional.

Também em 2014, a polícia conseguiu capturá-la novamente. Agentes da Unidade de Polícia Pacificadora do Jacarezinho (UPP) fizeram a prisão, ocasião em que Sandra ofereceu R$ 20 mil para não ser levada. Em 2016, saiu de novo em liberdade e voltou a gerenciar o tráfico pessoalmente, segundo investigações da Polícia Civil.

No ano seguinte, 2017, a polícia apurou que ela participou de um tiroteio que vitimou o policial militar Michel de Lima Galvão, da UPP Jacarezinho, e deixou outro agente baleado no rosto. Em 2018, por conta desses crimes, ela teve a prisão preventiva decretada, ao lado de outros dois traficantes. O mandado foi cumprido, no dia 21, pela Delegacia de Combate às Drogas (Decod).

Em virtude das denúncias de que o assessor parlamentar era, de fato, irmão da criminosa, a psolista, em nota, nesta terça-feira (25), afirmou que "é odioso e sombrio que alguém seja alvo de ataques por conta do seu parentesco e por atos com os quais não possui nenhuma relação". Rumba não foi localizado.

"Rumba Gabriel faz parte do nosso mandato pela valiosa e aguerrida experiência que ele tem em defesa da dignidade da população das favelas. É odioso e sombrio que alguém seja alvo de ataques por conta do seu parentesco e por atos com os quais não possui nenhuma relação. É uma associação descabida que fere o sério e fundamental trabalho de diversos movimentos sociais que atuam em defesa dos direitos humanos no Jacarezinho e nas favelas do Rio de Janeiro. Eu o defendo, com convicção, como profissional e como pessoa pela dignidade que carrega e nos representa. É assim que pretendo seguir fazendo política, com afeto e acolhimento".

Rumba tem passagem pela polícia por tráfico, associação ao tráfico e porte ilegal de arma, nos anos 2000.

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário,

cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

Fonte: O Dia

da Redação
Ler comentários e comentar