Dez anos depois de denunciar o Mensalão, Roberto Jefferson reaparece e detona o PT

O petebista deixou a cadeia há três semanas. Cumpre prisão domiciliar em um condomínio de alto padrão na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro

Em entrevista concedida ao jornal Folha de S.Paulo, dez anos depois de denunciar o mensalão, o ex-deputado Roberto Jefferson, 61, disse que o PT implantou o "padrão Fifa de corrupção" no país.

Para Jefferson, que cumpre prisão domiciliar em um condomínio de alto padrão na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, o dinheiro das estatais continua a financiar as campanhas de políticos.

Jefferson deixou a cadeia há três semanas e concedeu entrevista autorizada pelo juiz Eduardo Oberg, titular da Vara de Execuções Penais do Rio.

Durante a entrevista, o ex-deputado declarou que decidiu denunciar o mensalão ao ter seu nome vinculado a uma matéria que mostrava um funcionário dos Correios, Maurício Marinho, recebendo R$ 3 mil e dizendo que era para o PTB. Ele alega que não conhecia o funcionário e que a matéria teria sido encomendada pela Casa Civil, na época comandada por José Dirceu.

Jefferson também afirmou que o Mensalão foi responsável por mostrar a todos que o PT não era um partido ético. 

. "Caiu aquele véu que havia sobre o PT, de partido ético, moralista. O PT posava de corregedor moral da pátria. Ali caiu a máscara”.

Jefferson sustenta a tese de que impediu que José Dirceu chegasse à presidência da República. Ao compará-lo a Hugo Chávez, disse que "faltaria papel higiênico" no Brasil se isso acontecesse.

"O Dirceu saiu da fila. Se fosse ele o presidente, nós já estaríamos vivendo aqui a Venezuela. A Dilma é o Maduro. O Chávez é o Dirceu. Com ele, teria cerceamento das liberdades democráticas, perseguição à imprensa livre, cadeia para opositor. Não ia ter papel higiênico", afirmou.

Sobre os R$ 4 milhões que recebeu do PT, ele diz ter gasto em eleições municipais. "Foi gasto nas eleições municipais do PTB em 2004, em campanhas de prefeito no Rio, em Minas, São Paulo. Isso ficou no passado. O partido no poder é que tem dinheiro para fazer eleição. O pequeno não tem, ele recebe o repasse do grande."

Jefferson disse ainda que o Brasil não tem financiamento privado de campanhas políticas – mas sim de empresas paraestatais, que dependem dos governos para fazer negócios. "O Brasil não tem financiamento privado. O financiamento é público de segunda linha, mas é. Quem financia campanha no Brasil são as empresas que têm grandes contratos com BNDES, Banco do Brasil, Petrobras.

da Redação

Comentários