Afundada em denúncias de enriquecimento ilícito, co-fundadora do Black Lives Matter deixa o movimento (veja o vídeo)

Ler na área do assinante

A co-fundadora do movimento negro nos Estados Unidos, o Black Lives Matter, Patrisse Cullors, deixou esta semana a organização, em meio a denúncias de enriquecimento ilícito.

Patrisse renunciou ao cargo de co-participação no grupo, após uma série de escândalos revelados a respeito da fortuna e do patrimônio dela.

O Black Lives Matter ficou muito conhecido, em 2020, nos meses que antecederam as eleições presidenciais americanas. Ganhou o apoio de artistas, autoridades e políticos de todo o mundo na suposta tentativa de se fazer justiça ao preconceito contra negros nos Estados Unidos.

Mas, ao que parece, o movimento serviu mesmo em benefício da própria cúpula que se autodenomina marxista. Patrisse Cullors, por exemplo, foi denunciada pela compra de quatro casas. Apenas um dos imóveis custou US$ 2 milhões. É que o movimento, no auge dos protestos em solo americano, arrecadou, nada menos que US$ 90 milhões para a diretoria do “clubinho”.

E não é só isso: Patrisse gosta de ostentar um estilo de vida caro. Ela foi vista em um resort luxuoso, em Malibu, a praia dos ricos de Los Angeles; onde a influenciadora e treinadora socialista estava organizando um Fórum Marxista, gastando US$ 26 mil dólares em um único fim de semana.

Confira o vídeo:

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário,

cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar