CBF dá resposta desmoralizante a militância LGBT sobre o nº 24 na Seleção

Ler na área do assinante

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) respondeu ao questionamento feito pelo juiz Ricardo Cyfer, da 10ª Vara Cível do Rio de Janeiro, sobre a falta da camisa nº 24 no time da seleção brasileira que disputa a Copa América.

Segundo a CBF, a falta da camisa 24 não passa de ‘mera liberalidade’ em razão do regulamento da competição, e que o jogador que utiliza a camisa de número 25, o meia Douglas Luiz, optou pelo número em razão da sua posição de meio-campo.

O questionamento foi motivado por uma ação movida pelo Grupo Arco-Íris de Cidadania LGBT, que entendeu a falta da camisa 24 como um ato de homofobia.

“Para esse jogador [Douglas Luiz], em razão de sua posição (meio-campo) e por mera liberalidade, optou-se pelo número 25. Como poderia ter sido 24, 26, 27, 28, a depender da posição desportiva do jogador convocado; em regra, numeração mais baixa para os defensores, mediana para volantes e meio-campo, e mais alta para os atacantes”, explicou a CBF em sua resposta.

O departamento jurídico da CBF afirmou, ainda, que promove constantemente ações contra o preconceito em suas redes sociais, e declarou que a entidade ‘reafirma seu compromisso com a isonomia e com o combate a qualquer forma de preconceito’.

Diante disso, para o tal Grupo Arco-Íris seria mais decente atravessar rapidinho uma petição desistindo da esdrúxula ação.

O Jornal da Cidade Online é hoje uma voz em defesa da nossa pátria.

Por isso somos atacados por grupos anônimos e pela grande mídia perversa que quer o monopólio da informação e da opinião.

Estamos sobrevivendo, mas precisamos da ajuda de nosso leitor.

Faça a sua assinatura e tenha acesso ao conteúdo exclusivo da Revista A Verdade.

Clique no link abaixo:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar