Após ato falho, Omar Aziz tenta coagir depoente a falar em CPI, mas acaba com as calças nas mãos (veja os vídeos)

Ler na área do assinante

A sessão da CPI da pandemia desta terça-feira (13) acabou suspensa pelo senador Omar Aziz.

Isso, porque a depoente, Emanuela Medradas, diretora técnica da Precisa Medicamentos, empresa que intermediou a negociação da vacina indiana Covaxin com o governo brasileiro, se negou a responder todas as perguntas dos membros do colegiado.

Medradas estava sob proteção de um habea-corpus proferido pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, o que garantiu a ela o direito de permanecer calada.

Aziz, Randolfe Rodrigues e Renan Calheiros, o relator da CPI, inconformados, chegaram a pressionar Emanuela e disseram que ela não estaria ali na condição de investigada, mas, sim, de testemunha, devendo, assim, falar sem risco de ser incriminada

A diretora da Precisa, entretanto, deixou os parlamentares “com as calças nas mãos”, expondo o ato falho cometido contra ela, ao lembrar que teve seus sigilos telefônico e financeiro quebrados e que o documento de convocação à CPI citava a sua condição de investigada.

O senador governista, Marcos Rogério, reforçou o fato de que as quebras de sigilo são tratamentos dados somente a investigados, e criticou a tentativa de coação de Emanuela, por parte dos opositores.

Eis a CPI do Circo, onde os palhaços da oposição, sem conseguir provas ou nada que possa derrubar ou mesmo arranhar o governo, agora também fazem papel de “mico”.

Veja os vídeos:

O Jornal da Cidade Online é hoje uma voz em defesa da nossa pátria.

Por isso somos atacados por grupos anônimos e pela grande mídia perversa que quer o monopólio da informação e da opinião.

Estamos sobrevivendo, mas precisamos da ajuda de nosso leitor.

Faça a sua assinatura e tenha acesso ao conteúdo exclusivo da Revista A Verdade.

Clique no link abaixo:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar