Mais um cadáver no ‘mar de lama’ da corrupção

Acuados, os quadrilheiros implicados na Lava Jato não terão o menor constrangimento em destruir provas, testemunhas ou eventuais laranjas, na prática criminosa conhecida como ‘queima de arquivo’


A Operação Turbulência deflagrada na terça-feira (21), certamente puxou o fio de um novo novelo de práticas espúrias e corrupção.

Estranhamente, um dia após a deflagração da 'turbulência', aparece em condições absolutamente inexplicáveis e enigmáticas, um cadáver, dentro de um motel, em Recife.

Paulo Cesar de Barros Morato era sócio de uma empresa de fachada que recebeu da OAS um montante de R$ 19 milhões. É o que, por enquanto já foi constatado, o que já demonstra que o homem agora morto, foi utilizado para a prática de lavagem de dinheiro.

As investigações estão a cargo da Polícia Civil, algo temerário. 

A PF precisa imediatamente assumir o caso, pois está implícito que o cadáver tem ligação direta com a Operação Lava Jato.

Pelas circunstâncias parece óbvio que se trata de crime encomendado, o que reforça a tese de que a queda do avião de Eduardo Campos não foi um acidente.

Edmundo Zanatta

redacao@jornaldacidadeonline.com.br

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Variedades