Desembargador que mandou soltar Lula “na marra”, perde ação em que pleiteava dano moral

Ler na área do assinante

Quem não se lembra do desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região?

Ex-militante petista, o magistrado se aproveitou de um plantão, em julho de 2018, para mandar soltar ‘na marra’ o meliante Luiz Inácio Lula da Silva.

Em julho de 2018, na semana seguinte após a concessão da malfadada liminar, mandando soltar Lula – o jurista Miguel Reale Júnior (77 de idade, professor titular de Direito Penal da Universidade de São Paulo e ministro da Justiça no governo FHC), numa entrevista à Rádio Jovem Pan, fez um trocadilho.

Ao vivo, Reale afirmou que o sobrenome do magistrado [Favreto] significaria "favorzinho", em italiano. Logo após a transmissão radiofônica, militantes virtuais contrários à decisão judicial de soltura fizeram postagens nas redes sociais, com o epíteto de "desembargador favorzinho".

Na ação indenizatória proposta por Favreto contra Reale, o juiz Leandro Raul Klippel considerou que críticas à atividade desenvolvida por magistrado, que ocupa função pública, são decorrência da sua atuação e não ensejam indenização por danos morais, quando baseadas em fatos reais que são concretamente aferíveis.

O Jornal da Cidade Online é hoje uma voz em defesa da nossa pátria.

Por isso somos atacados por grupos anônimos e pela grande mídia perversa que quer o monopólio da informação e da opinião.

Estamos sobrevivendo, mas precisamos da ajuda de nosso leitor.

Faca a sua assinatura e tenha acesso ao conteúdo exclusivo da Revista A Verdade.

Clique no link abaixo:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar