Ministério Público revela perplexidade com soltura da quadrilha da ‘Custo Brasil’

Os procuradores do grupo de trabalho da Operação Custo Brasil estão perplexos.

Foi o que manifestaram em nota oficial divulgada na noite desta quarta-feira (29).

Uma decisão absurda de cunho eminentemente individual, onde sequer foi dado prazo para manifestação da Procuradoria Geral da República.

Algo que parece ter sido feito às pressas e sob pressão. Toffoli suprimiu instâncias que ainda iriam tomar conhecimento do caso.

O documento é assinado pelos procuradores Silvio Luis Martins de Oliveira, Andrey Borges de Mendonça, Rodrigo de Grandis e Vicente Solari Mandetta.

O grupo afirma que fará todos os esforços no sentido de que a PGR busque reverter a revogação da prisão de Paulo Bernardo.

É possível e provável. A indignação é generalizada.

Abaixo, a íntegra da nota.

da Redação 

Nota oficial

O Grupo de Trabalho formado pelo Ministério Público Federal em São Paulo para atuar na Operação Custo Brasil vê com perplexidade a decisão monocrática do ministro Dias Toffoli que concedeu habeas corpus de ofício para o ex-ministro do Planejamento e das Comunicações, Paulo Bernardo, preso preventivamente no último dia 23 de junho.

Ao não conhecer integralmente a reclamação ajuizada e decidir pela soltura de Paulo Bernardo, o ministro suprimiu instâncias que ainda iriam tomar conhecimento do caso e sequer ouviu a Procuradoria-Geral da República. O Tribunal Regional Federal da 3ª Região, por exemplo, não conheceu de qualquer pleito semelhante oriundo da defesa do ex-ministro.

Na última terça-feira (27), a 11ª turma do TRF-3, por unanimidade, negou habeas corpus impetrado pelo investigado Daisson Silva Portanova na mesma operação. O Tribunal não vislumbrou qualquer ilegalidade que pudesse justificar a soltura imediata do impetrante.

O grupo envidará esforços para que a PGR busque reverter referida decisão. De qualquer forma, as investigações continuarão, em conjunto e de maneira coordenada pelas instituições interessadas, com a mesma isenção com que foram conduzidas até o presente momento.

SILVIO LUIS MARTINS DE OLIVEIRA

ANDREY BORGES DE MENDONÇA

RODRIGO DE GRANDIS

VICENTE SOLARI MANDETTA

PROCURADORES DA REPÚBLICA

GRUPO DE TRABALHO DA OPERAÇÃO CUSTO BRASIL

da Redação

Comentários

Leia mais...

Mais em Direito e Justiça