Medo e estratégia fazem Lula propor nova representação contra Moro no STF

A estratégia dos advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para evitar uma eventual decretação de sua prisão, é ir ao ataque.


Assim, pretendem questionar todos as decisões do juiz Sérgio Moro envolvendo o ex-presidente.

É uma tentativa de intimidá-lo.

A diferença crucial é que Lula vê Moro como inimigo. Moro vê Lula como réu.

A defesa de Lula apresentou ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta terça-feira (5) reclamação com pedido para que sejam anuladas o uso de conversas telefônicas em que ele discute o cenário político e critica as investigações do petrolão com autoridades com foro privilegiado.

O novo processo diz respeito agora às conversas em que Lula manteve com o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), os deputados José Guimarães (PT-CE), Paulo Teixeira (PT-SP), Wadih Damous (PT-RJ) e com o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) José Múcio Monteiro.

Na época dos grampos, outras autoridades que detinham foro na ocasião também apareceram nas conversas, como os então ministros Jaques Wagner (Casa Civil), Edinho Silva (Comunicação Social) e Nelson Barbosa (Fazenda).

Em algumas conversas o ex-presidente atacou o próprio STF.

Por outro lado, os advogados de Lula também condenam a decisão do juiz Sergio Moro de tornar as conversas públicas.

Já numa outra frente, um recurso de ‘exceção de suspeição’ foi proposto em Curitiba. Os advogados de Lula acusam o juiz de ter praticado ‘atos arbitrários’, como, por exemplo, a condução coercitiva do ex-presidente.

E ainda, numa outra frente, familiares de Lula ingressaram com ações de reparação por danos morais.

Em nota, a Justiça Federal do Paraná disse que Moro vai se manifestar apenas nos autos do processo.

Na realidade, o objetivo dos advogados é que o STF chame para si todos os procedimentos que envolvem o ex-presidente, desta forma partiram para o ataque desmedido ao magistrado.

É o cumulo da hipocrisia.

Estão ‘cutucando onça com vara curta’.

da Redação

da Redação

Comentários

Mais em Política