Sair da dependência da opinião odiosa e medíocre da grande mídia é um ato de libertação

Ler na área do assinante

Muitas vezes a maior dificuldade que encontro nos diálogos que tenho com pessoas do meu círculo familiar e amigos próximos, é tentar libertá-los do condicionamento psicológico que criaram da "opinião" da grande mídia.

Como se fossem dependentes de um "opiáceo", estão tão desacostumados a pensar sozinhos que não conseguem mais, formar um juízo crítico ou ter uma leitura própria dos acontecimentos.

Seja nos casos corriqueiros do dia a dia, seja nos esportes, mas principalmente na política.

Ontem tive um diálogo neste sentido com um querido amigo. Inteligente, culto, rápido de raciocínio. Debatíamos sobre a densidade da adesão da população às manifestações de rua.

Ele me disse a certa altura:

- "É, mas os comentaristas da GloboNews estão dizendo que não tinha muita gente!"

Eu respondi:

“Tu não estais vendo as imagens com os teus próprios olhos? Em Brasília, em São Paulo, no Rio? E tu próprio não visse ai na tua cidade? O que tu visse não vale? Vale o que a Globo diz?”

Respondeu:

- "Sim, eu vi! Mas os ‘comentaristas’ da Globo estão dizendo que não era muita gente"!
- “E daí que eles estão dizendo isso? Vale o que tu estais vendo!”

Hora, quem são os comentaristas dos grandes veículos de comunicação?

Geralmente são pessoas que trabalham muito e recebem um salário de dependência que não podem perder, para alugarem a própria imagem e a língua para falarem o que os "patrões" que são os donos dos veículos mandam.

Na sua grande maioria são especialistas em generalidades e não sabem quase nada de tudo.

Mas para cumprirem a pauta, chutam, enchem linguiça, criam narrativas, enrolam. Sempre na linha que agrada o patrão. Para não perderem a dependência econômica, se submetem.

Alguns são uns pobres coitados que vivem de passar uma imagem de sabichões maquiada e exposta em cenários montados.

E uma massa de tansos, embarca.

E não acreditam no que veem e sempre esperando para ver o que os "comentaristas" dizem.

Experimentem ver matérias antigas desses “videntes” para ver o quanto eles erram.

Muitas vezes - senão em todas as vezes - esses "profissionais" tem que fazer isso constrangidos aviltando o que veem e mesmo as próprias opiniões.

Quantas vezes você que me lê já viu ex comentaristas , editores, redatores, apresentadores, repórteres serem mandados embora e ficaram na estrada como cachorro perdido em mudança?

Esses "analistas" são pessoas como eu e você. E a opinião deles é deles.

Eu, você, cada um de nós, tem a sua.

Sair dessa dependência da opinião da grande mídia é um ato de libertação.

É como se livrar das drogas, dos vícios da dependência psíquica.

E para começar, basta perguntar para si próprio:

- Preciso assistir isso? Não tenho eu a minha própria opinião sobre o que estou vendo? Então o que me faz depender da opinião de um mero jornalista, comentarista, debatedor?

Pense nisso. Se quiser praticar, use o controle remoto. Vai ajudar muito.

Quebraram as nossas pernas!

O Jornal da Cidade Online está sofrendo ataques escancarados.

“Velhas raposas” da política, através da malfadada CPI, comandada por figuras nefastas como Aziz, Renan e Randolfe quebraram nosso sigilo bancário. Nada irão encontrar.

O TSE, por sua vez, determinou a desmonetização do JCO. Uma decisão sem fundamento, sem qualquer intimação e sem o devido processo legal. Quebraram nossas pernas!

Precisamos da ajuda de todos os patriotas.

Sua colaboração é importante para que a verdade prevaleça! Faça a sua doação:

Ou faça a sua assinatura e tenha acesso ao conteúdo exclusivo da Revista A Verdade.

Clique no link abaixo:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

Foto de Luiz Carlos Nemetz

Luiz Carlos Nemetz

Editorialista do Jornal da Cidade Online. Advogado membro do Conselho Gestor da Nemetz, Kuhnen, Dalmarco & Pamplona Novaes, professor, autor de obras na área do direito e literárias e conferencista. @LCNemetz

Ler comentários e comentar