Em prisão domiciliar, Bumlai pode voltar para a cadeia em companhia do filho

Diagnosticado com câncer, o empresário José Carlos Bumlai encontra-se em prisão domiciliar


O tratamento a que está sendo submetido, vem sendo acompanhado de perto pelo juiz Sérgio Moro, para que, tão logo seja possível, ele retorne para a carceragem em Curitiba.

Paralelamente, o Ministério Público Federal (MPF), acaba de pedir a condenação do pecuarista por lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta e corrupção na ação sobre o empréstimo de R$ 12 milhões concedido pelo Banco Schahin, em 2004, valor que foi repassado ao PT.

Além de Bumlai, o MPF quer a condenação de mais oito investigados na Operação Passe Livre, desdobramento da Lava Jato, e a devolução de R$ 53,5 milhões aos cofres públicos.

Entre esses investigados está o filho do amigo de Lula, Maurício Bumlai, indiciado por lavagem de dinheiro e gestão fraudulenta.

Também são acusados Salim Schahin, Milton Schahin e Fernando Schahin, por corrupção ativa; os ex-diretores da Petrobras Nestor Cerveró e Jorge Luiz Zelada, por corrupção passiva; o operador de propinas Fernando Falcão Soares, o Fernando Baiano, e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, também por corrupção passiva.

No pedido, os procuradores esclarecem que ‘a conduta social de Bumlai deve ser valorada de forma extremamente negativa, dado que para a consecução das ilicitudes por ele perpetradas valia-se do nome do então presidente da República’.

De qualquer forma, Bumlai é réu confesso, o que deve lhe garantir uma atenuante na dosagem da pena.

A força-tarefa requereu a Moro que seja mantida a prisão de Bumlai, ‘determinando-se seu imediato recolhimento em estabelecimento prisional, uma vez concluído o tratamento médico’.

O detalhe é que Bumlai pode ter que voltar ao presídio em companhia do filho, que, ao que tudo indica, também será condenado.

da Redação

da Redação

Comentários

Mais em Direito e Justiça