O homem que criou a conta corrente de propinas do PT abre o jogo com o juiz Sérgio Moro

O engenheiro Zwi Skornicki era um forte operador de propinas do esquema de corrupção na Petrobras.


Ele aguarda ansioso que o seu acordo de delação premiada seja homologado pelo juiz Sérgio Moro.

Nesta quinta-feira (21), Skornicki foi ouvido como ‘colaborador’, com o compromisso de dizer a verdade.

As declarações do engenheiro corroboram o que foi declarado pelo marqueteiro João Santana (veja aqui).

O marqueteiro e a mulher Mônica Moura interrogados pelo juiz Sérgio Moro, também nesta quinta-feira (21) na ‘República de Curitiba’, confessaram que receberam dinheiro através de caixa dois referentes à campanha eleitoral de 2010 da ‘honrada’ presidente afastada Dilma Rousseff

A importância de 4,5 milhões de dólares foi paga por determinação de João Vaccari Neto e teve origem na propina do Petrolão.

Zwi Skornicki foi ainda mais abrangente e revelou a existência de uma ‘conta corrente’, por meio da qual repassava valores ilícitos a ex-dirigentes da Petrobras e a credores do PT, de acordo com o que era determinado por João Vaccari Neto.

Ainda de acordo com Zwi Skornick, 50% da propina sobre contratos da Petrobras iam para o PT. A parte do partido era sempre tratada com o tesoureiro.

Foi dessa ‘conta corrente’ que saíram os valores pagos a Santana e a esposa.

‘Numa das visitas do sr. Vaccari no meu escritório ele disse que tinha que fazer uns pagamentos para o sr. João Santana e para Mônica Moura e que a Mônica iria me procurar. Ela esteve no meu escritório’, afirmou.

O valor “combinado” e autorizado por Vaccari era de 5 milhões de dólares. “Eu disse a ela [Mônica] que não tinha como pagar de uma vez porque o que tinha de saldo (na tal conta corrente) dos contratos da Petrobras não era suficiente. Ficou combinado [o pagamento] em 10 parcelas de 500 mil dólares. Foi uma conversa muito curta, ela chegou no meu escritório e disse ‘vim aqui a mando do sr. Vaccari, gostaria de acertar com o sr. o pagamento’. Eu comentei que não poderia pagar de uma vez. Paguei só 9 de 500 mil até novembro de 2014.”

da Redação

da Redação

Comentários

Mais em Política