Marcos Rogério faz análise profunda do relatório de Renan e derruba, uma a uma, as acusações absurdas (veja o vídeo)

Ler na área do assinante

O senador Marcos Rogério fez uma nova análise do relatório da CPI, produzido por Renan Calheiros, e desconstruiu todas as acusações nele contidas, com argumentos fortes e objetivos.

“O relator esta colocando no papel aquilo que ele disse o o tempo todo, prejulgando o presidente e atribuindo crime, mas o presidente não pode ser investigado por CPI. As ações ou eventuais omissões seriam do governo, e quanto a estas não há prova de erro intencional identificado”, disse o parlamentar, analisando ainda o contexto da doença em âmbito mundial e nacional.

E prossegue:

“A pandemia pegou todos de surpresa, desafiou a ciência e, se fosse possível evitar mortes com ações humanas, certamente alguns países do mundo teriam feito. Se as mortes ocorrem por ação ou omissão do governo, não ficaria nenhuma autoridade de fora, a começar pelos governadores e prefeitos de todo o pais”, comentou o senador, criticando ainda os ataques, por exemplo, aos filhos de Bolsonaro.

E disse mais:

“A CPI da Pandemia virou a CPI de tudo, até de fake news. Tudo, menos investigar os atos de corrupção nos estados e municípios. O relator força a barra e inventa crime e inventa imputação”

Marcos Rogério seguiu, ainda especificando cada ponto do relatório e rebatendo as acusações de Renan.

Veja o vídeo:

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou a desmonetização do Jornal da Cidade Online.

Um ato de Censura Prévia. Um atentado a liberdade de expressão.

Uma decisão sem fundamento, sem qualquer intimação e sem o devido processo legal.

Precisamos da ajuda de todos os patriotas.

Faça a sua assinatura e tenha acesso ao conteúdo exclusivo da destemida Revista A Verdade.

Clique no link abaixo:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

Cada colaboração é importante para que a verdade prevaleça!

Faça também a sua doação pelo PIX (chave: pix@jornaldacidadeonline.com.br ou 16.434.831/0001-01).

Contamos com você!

da Redação
Ler comentários e comentar