Flávio acaba com Renan: "Ele não sabe investigar, até porque está acostumado a ser investigado" (veja o vídeo)

Ler na área do assinante

O senador Flávio Bolsonaro, que foi incluído como investigado em relatório da CPI da pandemia, junto com seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, e os irmãos, entre eles, o deputado Eduardo Bolsonaro, fez uma fala fortíssima durante a leitura de seu voto, e detonou o relator do colegiado, Renan Calheiros.

Flávio desmontou a série de narrativas criadas por Renan, com o objetivo de estabelecer motivos para acusá-lo de disseminação de mentiras e de ter praticado ilegalidades no âmbito das ações do governo contra o vírus chinês.

Entre os citados por Flávio, como cúmplices de uma espécie de “relatório paralelo de investigação contra si, montado por Renan”, o ex-governador fluminense Wilson Witzel e o senador Humberto Costa.

“É como se botasse um vampiro para tomar conta do banco de sangue”, disse o parlamentar.

Flavio lembrou que Renan comentou várias ilegalidades em seu relatório, como, por exemplo, investigar presidente da República, senadores e deputados, o que não é permitido, a não ser com autorização do STF, e ratificou:

“É porque Renan não sabe investigar, pois está mesmo acostumado a ser investigado”.

Flávio encerrou o voto citando os 21 crimes que diz que Renan Calheiros cometeu durante a construção de seu relatório na CPI, cujas penas, somadas, ultrapassam 60 anos de cadeia.

Veja o vídeo:

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou a desmonetização do Jornal da Cidade Online.

Um ato de Censura Prévia. Um atentado a liberdade de expressão.

Uma decisão sem fundamento, sem qualquer intimação e sem o devido processo legal.

Precisamos da ajuda de todos os patriotas.

Faça a sua assinatura e tenha acesso ao conteúdo exclusivo da destemida Revista A Verdade.

Clique no link abaixo:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

Cada colaboração é importante para que a verdade prevaleça!

Faça também a sua doação pelo PIX (chave: pix@jornaldacidadeonline.com.br ou 16.434.831/0001-01).

Contamos com você!

da Redação
Ler comentários e comentar