Bia Kicis alerta para risco de interferência no Telegram: "Censura e ataque à democracia"

Ler na área do assinante

A deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) resolveu ‘tocar na ferida’ e lamentou a notícia de que o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) teria intenção de levar ao congresso nacional o debate sobre a possibilidade de ‘interferir’ diretamente na plataforma Telegram, depois que diretor executivo do aplicativo russo ignorou alguns e-mails e até mesmo um ofício que cobrava informações e solicitava uma reunião, encaminhados em dezembro do ano passado (conforme noticiado aqui no JCO).

Segundo o site Congresso em Foco, “o Telegram entrou na mira do TSE e uma das primeiras agendas de Roberto Barroso, na volta do recesso é se reunir com os demais ministros da corte, entre os quais Luiz Edson Fachin e Alexandre de Moraes, para discutir ações sobre o uso do aplicativo durante as eleições deste ano".

Para Barroso, a ferramenta estaria se tornando uma espécie de ‘terra sem lei’ para a proliferação de milícias digitais e a possibilidade de banir o aplicativo no Brasil passou a ser observada.

Vale ressaltar que o Telegram tem grande penetração entre os conservadores no Brasil, concentrando milhões de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, e figuras de destaque que atuam neste ‘setor’ da política nacional.

Bia Kicis ressaltou que as outras plataformas sociais já sofrem com este tipo de interferência e citou o exemplo do Facebook:

“A justiça eleitoral quer ter o controle dos aplicativos. Teve uma época que eles mandaram suspender umas contas de uns conservadores e o Facebook se recusou. Eles ameaçaram prender um funcionário do Facebook, aí eles foram lá e removeram a conta do pessoal. Eles não estão conseguido ter controle nem sobre o Telegram e nem sobre o Gettr. A gente quer debater, só que existem hoje os que se julgam os donos da verdade. Eles não querem o debate e não existe democracia ou eleições justas, se não existe o debate. A fraude já começa aí”, ressaltou a parlamentar.

Vale destacar ainda que o controle das plataformas sociais, com milhões (ou talvez bilhões) de inscritos, é de grande interesse da velha mídia, que deixou de ter o monopólio da informação, perdendo influência e, por consequência, audiência, espectadores e assinantes, acumulando prejuízo ou mesmo fechando as portas em todo o mundo.

No vídeo, Kicis cita um ataque da revista Veja, em reportagem contra os aplicativos considerados conservadores, mas nem é preciso ir tão longe para compreender o jogo de interesses.

Nesta segunda-feira (24), a capa do jornal Correio Braziliense estampou uma chamada para a matéria principal, cujo objeto é o Telegram. A plataforma é acusada, de forma genérica e irresponsável, de 'abrigar venda de armas, drogas e notas falsas'.

O fato é que a democracia está por um fio e, diferente do que ‘o outro lado da praça’ diz, a censura e a mordaça não estão partindo de Jair Bolsonaro.

Veja o vídeo:

O Jornal da Cidade Online está sendo vítima da Censura.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou a desmonetização do site.

Um ato cruel... Um "tapa na cara" da democracia.

Neste momento, onde estamos assistindo a liberdade de expressão ser devastada e conservadores sendo calados, precisamos da ajuda de todos os patriotas...

Faça a assinatura do JCO agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo da destemida Revista A Verdade.

Clique no link abaixo:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

Lançamos também uma loja virtual com camisetas, bandeiras e faixas.

Ajude-nos! Compre no Shopping Conservador:

https://www.shoppingconservador.com.br/

Caso queira, doe qualquer valor ao Jornal da Cidade Online pelo PIX (chave: pix@jornaldacidadeonline.com.br ou 16.434.831/0001-01).

da Redação
Ler comentários e comentar