Procuradora da República cometeu crime (veja o vídeo com comentário de Reinaldo Azevedo)

O cargo ocupado por Ela Wiecko exige constitucionalmente a isenção. Isto é ponto pacífico.


Aliás, uma Procuradora da República não pode, em hipótese alguma, participar de manifestação político partidária.

Entretanto, conforme matéria publicada pelo Jornal da Cidade (veja aqui), a vice de Janot foi flagrada em Portugal fazendo protesto contra o impeachment – que ela, como fiel militante petista, chama de ‘golpe’ - achou que lá estaria invisível.

Agiu contrariando nossas instituições e a nossa Constituição.

Diante do flagrante, resolveu pedir demissão do cargo de Procuradora-Geral adjunta.

De qualquer forma, continua Procuradora da República, cargo concursado, que obviamente, também exige isenção de seus ocupantes.

Ela, a primeira à esquerda, de óculos escuro
Ela, a primeira à esquerda, de óculos escuro


Não é apenas vergonhoso. É CRIME!

Vale destacar que o marido desta senhora é exatamente aquele que atuava como assessor do ministro Teori Zavascki, no Supremo Tribunal Federal, e acabou obrigado a pedir demissão após ser flagrado como signatário daquela excrescência apresentada pela turma de Luiz Inácio da Silva à Organização dos Estados Americanos (OEA).

Um verdadeiro casal de militantes do petismo, provavelmente utilizando de seus cargos para atuarem partidariamente.

da Redação

Com informações de Helder Caldeira

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça