Procuradora da República cometeu crime (veja o vídeo com comentário de Reinaldo Azevedo)

O cargo ocupado por Ela Wiecko exige constitucionalmente a isenção. Isto é ponto pacífico.


Aliás, uma Procuradora da República não pode, em hipótese alguma, participar de manifestação político partidária.

Entretanto, conforme matéria publicada pelo Jornal da Cidade (veja aqui), a vice de Janot foi flagrada em Portugal fazendo protesto contra o impeachment – que ela, como fiel militante petista, chama de ‘golpe’ - achou que lá estaria invisível.

Agiu contrariando nossas instituições e a nossa Constituição.

Diante do flagrante, resolveu pedir demissão do cargo de Procuradora-Geral adjunta.

De qualquer forma, continua Procuradora da República, cargo concursado, que obviamente, também exige isenção de seus ocupantes.

Ela, a primeira à esquerda, de óculos escuro
Ela, a primeira à esquerda, de óculos escuro


Não é apenas vergonhoso. É CRIME!

Vale destacar que o marido desta senhora é exatamente aquele que atuava como assessor do ministro Teori Zavascki, no Supremo Tribunal Federal, e acabou obrigado a pedir demissão após ser flagrado como signatário daquela excrescência apresentada pela turma de Luiz Inácio da Silva à Organização dos Estados Americanos (OEA).

Um verdadeiro casal de militantes do petismo, provavelmente utilizando de seus cargos para atuarem partidariamente.

da Redação

Com informações de Helder Caldeira

da Redação

Comentários

Mais em Direito e Justiça