Japonês de Lula perde habeas corpus

O presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, silenciosamente, sem fazer alarde, propôs um habeas corpus junto ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região, afim de obter liminar para impedir que o juiz Sérgio Moro aceite a denúncia contra ele, proposta esta semana pela força tarefa da 'República de Curitiba'.


O desembargador João Pedro Gebran Neto, que analisou o caso, sequer adentrou o mérito da questão.

O magistrado entende que é preciso esperar que Moro aprecie e decida sobre a denúncia feita pelo Ministério Público Federal.

Okamotto diz que vai recorrer da decisão.

Ele foi denunciado por ter sido o responsável pela intermediação com a OAS, para que a empresa pagasse a armazenagem de bens do acervo presidencial do ex-presidente Lula entre 2011 e 2016.

Segundo o MPF, a OAS fez 61 pagamentos mensais no valor de R$ 21, 5 mil, entre 2011 e 2016.

Na mesma denúncia, foram denunciados Lula e dona Marisa Letícia.

A argumentação da defesa de Okamotto é de que os bens 'integram o patrimônio cultural brasileiro e são declarados de interesse público'.

da Redação

da Redação

Comentários

Mais em Direito e Justiça