Com Musk no comando, Twitter deve ser 'ilha de liberdade de expressão' em meio a 'mundo de censura' nas redes sociais

Ler na área do assinante

O megaempresário bilionário Elon Musk já pode se considerar o novo dono da plataforma digital de relacionamento Twitter.

O valor ofertado, de US$ 54,20 por ação, em um total de US$ 44 bilhões, acabou sendo aceito pelos acionistas - 'um valor irrecusável', teriam dito alguns nos bastidores.

E ainda que Musk tenha dito, desde o início, que não almeja qualquer lucro no negócio, vale ressaltar que as ações tiveram um salto positivo de 6%, horas após o anúncio.

A operação, iniciada há cerca de duas semanas, deve se arrastar por mais alguns meses, e expectativa é de que o negócio seja consolidado ainda em 2022.

Com uma fortuna avaliada em US$ 265 bilhões, o sul-africano naturalizado norte-americano, Elon Musk (50), é fundador e CEO da SpaceX, Tesla e Neuralink, fundador e vice-presidente da SolarCity e vice-presidente da OpenAI.

A aquisição do Twitter era, mais do que um objetivo, quase uma obsessão do empresário, defensor da liberdade de expressão e feroz crítico de exageros cometidos contra internautas, em bloqueios, suspensões e até banimentos de contas, impostos por interferência de governos.

Suas primeiras ações no comando da rede social incluem o rastreio e encerramento de contas falsas, conhecidos como robôs ou bots, e a exposição pública do algoritmo, tornando o código do Twitter aberto a todos, o que, segundo ele, garantiria mais transparência nas decisões sobre o que pode ou não ser incluído nos feeds de notícias e comentários.

No dia 24 de março, algumas semanas antes de propor o negócio de compra da plataforma, Musk fez uma rápida pesquisa, questionando se o “o algoritmo do Twitter deveria ser de código aberto”, com as opções de resposta - ‘Sim’ ou ‘Não’

O resultado foi de 82.7% a favor do ‘Sim’, com mais de um milhão de votos.

Nesta segunda-feira (25), horas após fechar o negócio, o empresário fez a seguinte postagem:

"Espero que até meus piores críticos permaneçam no Twitter, porque é isso que significa liberdade de expressão."

Há a expectativa de que, com a maior liberdade nos conteúdos postados e mais autonomia da plataforma diante de imposições governamentais, cesse a maioria das ‘censuras’ e perseguições movidas contra perfis conservadores, proporcionando maior divulgação e trocas de informações entre apoiadores de candidatos com este viés, principalmente nos períodos eleitorais.

Considerando que os gestores das demais redes sociais, como Whatsapp, Facebook (Meta) e Instagram, entre outras, têm aceitado as mais absurdas regras e mesmo a interferência em sua autonomia, o Twitter deve ganhar novos milhões de inscritos e, quem sabe, se tornar um exemplo de democracia e liberdade.

E a esquerdalha pira!

O Jornal da Cidade Online está sendo vítima da Censura.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou a desmonetização do site.

Um ato cruel... Um "tapa na cara" da democracia.

Neste momento, onde estamos assistindo a liberdade de expressão ser devastada e conservadores sendo calados, precisamos da ajuda de todos os patriotas...

Faça a assinatura do JCO agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo da destemida Revista A Verdade.

Clique no link abaixo:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

Lançamos também uma loja virtual com camisetasbandeiras, faixascanecas e até VINHOS.

Ajude-nos! Compre no Shopping Conservador:

https://www.shoppingconservador.com.br/

Caso queira, doe qualquer valor ao Jornal da Cidade Online pelo PIX (chave: pix@jornaldacidadeonline.com.br ou 16.434.831/0001-01).

da Redação
Ler comentários e comentar