As ilusões sobre a reforma política e a necessidade da pressão popular

A opinião publicada do sudeste/sul defende uma reforma política baseada em ideais, em defesa do interesse nacional. O que não corresponde aos objetivos e interesses da opinião não publicada e dos seus representantes no Congresso. Como esses são maioria, aquela reforma política idealizada pela elite paulista e seus seguidores jamais se efetivará como ela deseja.

Deverão ocorrer avanços, com a aprovação de alguns projetos que estão no Congresso. Particularmente um no Senado Federal, criando cláusulas de barreiras aos partidos menores e proibindo as coligações nas eleições proporcionais. Isso porque os partidos maiores perderam espaço, conquistados pelos partidos menores e esses ganharam independência em relação àqueles. Unidos constituem a maior bancada na Câmara dos Deputados. É o tal ‘centrão’, que sempre pode rachar. Não é uma base confiável para o Executivo.

Mantidas as regras atuais, os partidos menores, somando os ideológicos e os fisiológicos, irão ganhando cada vez mais espaço em detrimento dos partidos maiores. Para barrar esse avanço, os partidos maiores, com apoio dos médios, deverão aprovar as restrições aos nanicos. Mesmo com a oposição dos estridentes nanicos ideológicos, que já tiveram tempo para demonstrar a sua representatividade. E não tem conseguido.

Já a restrição às doações empresarial das campanhas eleitorais poderá cair, porque o interesse majoritário do Congresso é pelo seu restabelecimento. Só será barrado se houver forte reação popular. Que poderá ocorrer pelas redes sociais.

Jorge Hori

Jorge Hori

Articulista

Mais de Jorge Hori

Comentários

Leia mais...

Mais em Política