Magistrada critica prisão com base apenas na palavra da vítima em acusação de estupro e vira alvo de processo disciplinar

Ler na área do assinante

Que o caso envolvendo o ator Johnny Deep seja inspirador para os magistrados do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG), que irão julgar no próximo dia 22 a juíza Ludmila Lins Grilo, por um tuíte em que ela diz o seguinte:

“Mandar prender um sujeito por estupro, lesão corporal, qualquer crime na forma da lei Maria da Penha com base apenas na palavra da vítima é uma das coisas mais irresponsáveis que um juiz pode fazer no exercício de suas atribuições”.

Não citou nomes, não ofendeu ninguém, apenas opinou.

Porém, uma magistrada do TJ-MG não gostou do tuíte, e agora o tribunal irá julgar Ludmila, por possível má conduta disciplinar.

Sem dúvida, uma aberração, que mereceu um novo tuíte:

“Sim, um processo disciplinar foi instaurado por isto. Sei que parece, mas não é meme, nem piada.
A gravidade disso demonstra o atual estado de coisas dentro do sistema de justiça no Brasil e, claro, extrapola o meu campo particular de interesse. Acho que o público deveria saber.”

Confira:

Tempos sombrios!

A eleição está chegando... Está na hora de você estampar todo o seu amor pelo Brasil!

Já garantiu a sua camiseta, bandeira e faixa?

Tudo isso e muito mais você encontra no Shopping Conservador...

A maior loja patriota do Brasil!!

Clique no link abaixo:

https://www.shoppingconservador.com.br/

O Brasil precisa de você!

Caso queira, doe qualquer valor ao Jornal da Cidade Online pelo PIX (chave: pix@jornaldacidadeonline.com.br ou 16.434.831/0001-01).

Assine o JCO:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar