Missão comercial mostra a respeitabilidade e competitividade internacional do Brasil!

Ler na área do assinante

De 18 de maio a 7 de junho, sob a coordenação da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE/PR), um grupo de 31 empresários brasileiros viajou, em visita oficial de negócios, para nove países árabes e dois do leste europeu. A comitiva contou também com integrantes do governo brasileiro -  Ministério das Relações Exteriores, Ministério da Defesa, Ministério da Economia, Apex-Brasil e Embratur, bem como da Câmara dos Deputados.

São os seguintes países visitados na viagem: Arábia Saudita, Bahrein, Egito, Emirados Árabes Unidos, Hungria, Iraque, Kuwait, Marrocos, Omã, Qatar e República Tcheca.

Um aspecto importante que deve ser ressaltado é que o custeio da missão brasileira não comprometeu recursos públicos, exceto, cabendo ao governo federal, apenas os serviços e cessão de um avião da FAB, o KC-390 da Embraer, para os traslados. Este modelo de aeronave já foi adquirido por três países membros da OTAN - Holanda, Hungria e Portugal.

A comitiva brasileira foi muito bem recepcionada por onde passou, cumprindo agenda com representantes governamentais, confederações comerciais e empresários de diversos setores, o que demonstra o respeito internacional para com o Brasil. Pelo visto, o Brasil vai bem, obrigado!

Conforme o Secretário Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Almirante Flávio Augusto Viana Rocha, a Missão reflete o compromisso do Presidente da República, Jair Bolsonaro, em atrair investimentos estrangeiros, impulsionar o crescimento econômico e reafirmar o protagonismo do Brasil no mercado mundial.

Vários segmentos de mercado foram alvos das conversações, com destaques para o agronegócio, a construção civil, produtos de defesa e mineração. Com caráter de prospecção de oportunidades e de investimentos no Brasil, a missão oficial do governo federal trouxe na bagagem muitos encaminhamentos e acordos comerciais, e parcerias para negócios de alto interesse do governo e da sociedade brasileira.

Para o empresário mineiro, Abraão Veloso, do setor de mineração, membro da comitiva brasileira, uma das principais expectativas ficou por conta das negociações com empresários árabes sobre fertilizantes, o que pode ampliar ainda mais o fornecimento pelo bloco de países árabes para o Brasil, hoje na casa dos 26% do que importamos. Essa ampliação de fornecimento de fertilizantes pelos países árabes pode significar um impacto menor da dependência brasileira para um produto tão importante para nosso agronegócio. Marrocos, detentora da 2ª maior reserva de fosfato do mundo, foi uma das mais importantes visitas da agenda oficial.

Foto de Alexandre Siqueira

Alexandre Siqueira

Articulista
@ssicca no GETTR

Ler comentários e comentar