desktop_cabecalho

Mãe de autista agredido pede socorro... Existe de fato inclusão social? (veja o vídeo)

Ler na área do assinante

Muito se milita em torno da tão propalada INCLUSÃO SOCIAL, mas o que de fato tem sido feito para que ocorra a inclusão social daqueles que realmente precisam?

Grande parte do que temos visto da dita INCLUSÃO SOCIAL, não passa de ferramenta política para controle e manobra de grupos auto-segregados por interesses ideológicos; em contraponto vemos os reais necessitados de inclusão serem esquecidos, desprezados e até mesmo agredidos.

Na última terça-feira (21) em Foz do Iguaçu, no estado do Paraná, uma criança autista foi agredida na saída da escola, o jovem Breno de apenas 12 anos, estudante do Colégio Ayrton Senna da Silva, no Jardim Lancaster.

Breno foi agredido por estudantes mais velhos, ferindo o seu rosto e provocando sangramento na boca.

Ao chegar em casa machucado e sangrando, Márcia Castro, mãe de Breno ficou desesperada e se dirigiu ao colégio para saber o que havia ocorrido e o que o colégio faria a respeito, porém a mãe ouviu dos responsáveis que nada seria feito pois o fato teria ocorrido fora das dependências da escola.

A irmã do menino, revoltada com a crueldade feita com o irmão e com a atitude dos responsáveis do colégio acabou postando sua revolta nas redes sociais, mostrando o estado em que seu irmão chegou em casa. Sangrando e com um olhar desesperadamente assustado.

Os pais de Breno registraram um Boletim de Ocorrência na 6° Subdivisão Policial de Foz do Iguaçu. Em seguida o exame de lesão corporal e o encaminhamento ao DEIA (Delegacia do Adolescente), isso tudo contrariando as advertências dos responsáveis pela a escola que, segundo a mãe de Breno, ao invés de ajudar, queriam coibir que a família expusesse o caso em redes sociais e que não se registrasse Boletim de Ocorrência.

As imagens da agressão rapidamente viralizaram nas redes chocando a todos e revelando o aparente despreparo do colégio na questão da inclusão social daqueles que realmente necessitam como é o caso do menino Breno, que tem autismo.

Vale ressaltar que não foi a primeira vez que Breno foi agredido. Pouco tempo atrás o menino, que parece ser alvo freqüente de perseguições, recebeu chutes nos testículos, isso em outro episódio de trauma para a família.

O que será feito daqui para frente nesse caso emblemático é uma incógnita, pois isso acontece em muitos locais do nosso Brasil e as autoridades competentes precisam tomar ciência e atitude eficaz, pois a violência escolar parece estar sendo normalizada e ignorada.

Os casos são frequentes e graves. Recentemente no Norte do Paraná, no município de Apucarana um jovem de apenas 13 anos perdeu a vida por conta da violência escolar.

Precisamos despertar para essa situação e fazer valer a verdadeira INCLUSÃO SOCIAL, removendo as falsas bandeiras políticas das massas de manobras ideológicas.

Enquanto isso não for feito continuaremos vendo marchas de "legalizações" e de "orgulhos" hipocritamente executadas, tentativas de alterações na língua portuguesa e outro absurdos enquanto crianças autistas são agredidas e até mesmo tendo suas vidas ceifadas diante dos nossos olhos.

Saiba mais assistindo ao vídeo e compartilhando o depoimento de Márcia Castro, mãe do menino Breno.

Veja o vídeo:

Foto de Bosco Foz

Bosco Foz

Jornalista, Gestor Público, Proprietário do canal Bosco Foz.

Me acompanhe nas redes sociais:

Ler comentários e comentar