desktop_cabecalho

O desfecho final do crime de Foz do Iguaçu (veja o vídeo)

Ler na área do assinante

Depois de uma profunda e exaustiva investigação, ouvindo relatos, depoimentos e testemunhos de ambos os lados da história, que culminou no homicídio do Guarda Municipal Marcelo Arruda, pelo Policial Penal Jorge José da Rocha Guaranho, no último sábado (9) em Foz do Iguaçu – PR, chegamos a seguinte conclusão:

"Trata-se de um caso de POLÍCIA, jamais de política!"

Ouvindo ambos os lados, mesmo com visões opostas na motivação do crime, fica clara a questão chave que conduz ao desfecho final da questão:

"Por que Jorge Guaranho foi lá naquela noite?"

A verdadeira narrativa que pode ser constatada nos relatos e na observação minuciosa das imagens das câmeras interna e externa da Associação Recreativa e Esportiva da Segurança Física - Itaipu (ARESF), local onde se realizava a festa de 50 anos do Guarda Municipal Marcelo Arruda, com a temática do PT, seria que o Policial Penal Jorge Guaranho, por ser associado do clube, inclusive já fez parte da diretoria, teria ido lá fazer uma ronda.

Ficou provado que Guaranho é um associado e entre os membros da associação existe um acordo de observação, uma ronda eventual para cuidar da ARESF, que fica em um local ermo, próximo a uma mata de proteção e uma favela e o clube já foi alvo de vandalismo e furtos. E naquela fatídica noite, Jorge Guaranho e sua esposa com seu bebê de colo, após sair de um festa julina, antes de irem para casa, resolveram dar uma passada na ARESF para a corriqueira ronda.

De acordo com o relato de um irmão do policial penal, Jorge gosta de ouvir um funk relacionado ao Presidente Bolsonaro e naquela noite, segundo ele, teria sido uma infeliz coincidência estarem ouvindo essa música (funk do Bolsonaro) e não algo intencional para afronta, fato que teria sido o estopim para provocações verbais e que, logo em seguida, levou o Guarda Municipal Marcelo Arruda a apanhar um punhado de terra de um canteiro próximo e jogar contra Jorge e sua esposa. Na sequência, Jorge saca sua arma para inibir Marcelo, conforme se vê no vídeo.

Jorge ameaça voltar e deixa o local para levar a esposa em casa, que fica muito próximo da associação. Nesse meio tempo o Guarda Municipal Marcelo busca sua arma para aguardar o possível retorno de Jorge, e infelizmente este cumpre sua promessa e volta para tomar satisfações.

Ao chegar no local, descendo de seu veículo, percebe que Marcelo já está com sua pistola empunhada e as imagens denotam que o Policial Penal dá voz de prisão para o Guarda Municipal, porém o resultado desta situação foi a morte de Marcelo Arruda, enquanto o Policial Penal ainda encontra-se em estado grave no hospital ministro Costa Cavalcante, sob custódia da polícia.

"Não houve invasão, nem premeditação, muito menos desejo de chacina, como querem narrar os urubus da mídia!"

Agora o que não podemos permitir é que a maliciosa e irresponsável conduta da esquerda em conluio com a extrema imprensa perdure com sua narrativa mentirosa em virtude dos seus interesse políticos e ideológicos.

Ao insistirem em transformar o lamentável episódio em um palanque político repugnante, estão incentivando o acirramento entre grupos, que poderá culminar em violência em um ano eleitoral, que já tem suas tensões naturais.

A esquerda é perversa e quer transformar Marcelo Arruda em "George Floyd" Brasileiro, porém cabe aos defensores da paz quebrar essa narrativa e impedir que mais tragédias ocorram em nossa nação.

Veja o vídeo:

Foto de Bosco Foz

Bosco Foz

Jornalista, Gestor Público, Proprietário do canal Bosco Foz.

Me acompanhe nas redes sociais:

Ler comentários e comentar