Esquerda que não se entende e quer seu voto de confiança, custe o que custar?

Não tenho qualquer simpatia pelo senador Marcelo Crivella (PRB), tampouco pelo deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), candidatos à prefeitura do Rio de Janeiro. No entanto, nutro verdadeiro asco pelas famigeradas ‘narrativas’ criadas no lodaçal da tal ‘Esquerda’ brasileira, inclusive de algumas alas do Jornalismo.

A capa especial da revista Veja desta semana, disponível apenas aos leitores do Rio de Janeiro e na edição digital, é uma charutada política e deixa uma questão basilar: como entender uma Esquerda que não se entende e quer seu voto de confiança, custe o que custar?

Sim, porque a primeira declaração do candidato Freixo — suposto principal beneficiado com a capa —, em entrevista à Folha de S. Paulo, foi: "Por trás da fala mansa do Crivella tem um cara que é racista, um cara que é machista, um cara que é violento". [Fonte: Folha de S. Paulo (veja aqui)] 

É estranho. Nem parece aquela Esquerda que usou a imagem da ex-presidente Dilma Rousseff presa como estampa de suas bandeiras, camisetas e propagandas políticas, sempre repetindo: ‘coração valente’.

Daí, dirá o mancinismo: "Ah! É diferente! Dilma, armada, foi parar no xilindró em 1970 pelas mãos da Operação Bandeirantes, durante o Regime Militar; e Crivella, com capangas armados, foi preso em 1990 pela polícia civil do Rio de Janeiro, já no período da redemocratização".

De fato, há algumas diferenças entre as duas décadas registradas nas fotos. Se há quem veja a prisão de Dilma Rousseff como uma arbitrariedade do Regime Militar, também há especialistas que garantem ter sido arbitrária a prisão de Marcelo Crivella. Confira em O Globo (veja aqui).

Neste momento, quando o Rio de Janeiro democraticamente escolheu — e quem deixa de votar também escolhe — embrenhar-se no matagal com dois dogmáticos lulodilmistas, é difícil pedir um minuto de reflexão.

Reitero a questão: como entender uma Esquerda que não se entende e quer seu voto de confiança, custe o que custar?

Boa sorte, cariocas! Vocês vão precisar...

Helder Caldeira

da Redação

Comentários