Incorrigível, desaforado e atrevido, Renan também destrata Carmen

A petulância do ‘senadoreco’ é sem limites. ‘Faltou reprimenda ao juiz’, disse Renan. 

Ora, mesmo após a declaração da presidente do STF, Ministra Carmen Lúcia, quando manifestou que a ofensa ao juiz Vallisney Souza de Oliveira, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, agredia a ela e a todos os membros do Judiciário, Renan voltou à carga, sem titubear e com ar de deboche.

"Ela (Carmen) fez o que lhe cabe, defender o Judiciário, e eu fiz o que me cabe, defender o Legislativo", afirmou o senador.

E prosseguiu cobrando a condenação do ‘juizeco’: ‘Concordo com ela, tenho consideração e respeito pela ministra, que tem todas as virtudes para conduzir o Judiciário neste momento delicado do país. Mas avalio que faltou a condenação da usurpação da competência do Supremo pela 1ª instância’.

Ou seja, fora dos autos processuais, conforme a ministra houvera advertido, voltou a condenar a decisão do magistrado, como se ele Renan, fosse o ‘dono da verdade’, o ‘juiz dos juízes’.

No entanto, Renan é o verdadeiro usurpador. O Brasil inteiro sabe disso e quer sua punição pelos inúmeros malfeitos já cometidos, a vida pregressa tortuosa, os casos envolvendo a prática de corrupção e, finalmente, a total falta de decoro para o exercício do cargo que ora ocupa.

Paralelamente, em busca de tentar evitar uma crise institucional, o presidente Michel Temer entrou em campo para acalmar os ânimos entre o presidente do Senado e a presidente da Suprema Corte, tentando organizar uma reunião para apziguamento do ânimos.

A presidente do STF já avisou que não vai.

Aliás, a atitude da ministra tem que ser uma só, exigir o desengavetamento de tudo o que Renan tem parado no STF.

Chegou a hora de enquadrar esse coronel de araque das Alagoas.

Amanda Acosta

redacao@jornaldacidadeonline.com.br

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Comentários

Mais em Direito e Justiça