O ministro de apenas uma pauta: Salário

Após a votação do impeachment de Dilma Rousseff, uma versão surgiu com força em relação a decisão do então presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, de que a flagrante mácula ao texto constitucional, com a não cassação dos direitos políticos da presidente, teria sido um acordo com Renan Calheiros, relacionado à aprovação do aumento salarial do Judiciário.


Num outro episódio, até mesmo a imprensa internacional noticiou um encontro do mesmo ministro com a ainda presidente Dilma Rousseff, em Portugal, exclusivamente para negociar salário.

Eis que nesta quinta-feira (3) em palestra num encontro nacional de magistrados, em Porto Seguro (BA), Lewandowski defendeu com veemência que os juízes do país não tenham vergonha de reivindicar reajustes salariais.

Em sua argumentação, o ministro do STF disse que ‘não há vergonha nenhuma nisso, porque os juízes, no fundo, são trabalhadores como outros quaisquer, e têm seus vencimentos corroídos pela inflação’.

E prosseguiu: ‘Condomínio aumenta, IPTU aumenta, a escola aumenta, a gasolina aumenta, o supermercado aumenta, e o salário do juiz não aumenta? E reivindicar é feio? É antissocial isso? Absolutamente, não.’

Por fim, Lewandowski também defendeu a aprovação da PEC 63/2013, que prevê a criação de um adicional por tempo de serviço aos magistrados.

Lewandowski realmente não tem vergonha!

O pior é que foi efusivamente aplaudido.

Amanda Acosta

redacao@jornaldacidadeonline.com.br

da Redação

Comentários

Mais em Direito e Justiça