PF leva Cabral para fazer companhia a Garotinho

Por outros motivos, um dia após a prisão do ex-governador Antony Garotinho, a ‘bola da vez’ é outro ex-governador, o peemedebista Sérgio Cabral.


A acusação prende-se a cobrança de propina em contratos com o poder público.

A ação é realizada por um núcleo da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro.

A PF cumpre 38 mandados de busca e apreensão, oito de prisão preventiva, dois de prisão temporária e 14 conduções coercitivas.

Cabral e os outros acusados são suspeitos de receber propina em troca da concessão de obras públicas como a reforma do Maracanã e a construção do Arco Metropolitano.

A ação surgiu a partir da delação homologada de executivos da Andrade Gutierrez e da Carioca Engenharia.

Só a Carioca Engenharia comprovou o pagamento de mais de R$ 176 milhões em propina para Cabral e seu grupo.

Além de Cabral, a polícia também busca cumprir mandados de prisão preventiva contra o ex-secretário de governo de Cabral, Wilson Carlos, e do ex-secretário de obras,
Hudson Braga.


A ex-primeira-dama, Adriana Anselmo, será conduzida coercitivamente para depor.

A operação foi batizada de “Calicute”, região da Índia onde o descobridor do Brasil, Pedro Álvarez Cabral, teve uma de suas maiores tormentas.

da Redação

Fonte: G1

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça