O aterrorizante 'Raio X' de Geddel

Em 2002, o então governador de Minas Gerais, Itamar Franco, assim definiu o baiano Geddel Vieira Lima: ‘é um vendedor de siglas, um anãozinho do Orçamento... é um percevejo de gabinete’.


É exatamente essa figura repugnante que o atual presidente da República decidiu manter como um de seus principais ministros no Palácio do Planalto.

A edição desta terça-feira (22) do Estadão faz um breve balanço da trajetória de escândalos do ‘percevejo’ da Bahia, desde os anões do orçamento, passando pelo posto de capitão-do-mato de Antônio Carlos Magalhães, até chegar ao alto escalão dos governos Lula, Dilma e Temer.

Vale a pena conferir no Estadão (veja aqui). 

Cumpre destacar: o covarde Michel Temer não vai exonerar o amigo Geddel Vieira Lima porque, com a conclusão da delação premiada dos executivos da Odebrecht, o baiano não pode ficar sem a nauseabunda prerrogativa de foro privilegiado no Supremo Tribunal Federal.

Caso contrário, sem foro, tem Moro.

Fora Temer! O Brasil precisa de quimioterapia.

Helder Caldeira

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Comentários

Mais em Política