Adriana, da origem pobre à esnobação ilimitada até a retumbante queda

Adriana de Lourdes Ancelmo, moça de origem humilde, estudante de escola pública, moradora de um velho prédio em Copacabana, atendente em uma loja no Shopping Rio Sul, onde ganhava o dinheiro que utilizava para pagar o seu curso superior.


Fez direito na PUC, onde, esperta, conquistou uma grande amizade com o professor Régis Fichtner, que, mais tarde, seria o elo de sua ligação com o então deputado estadual Sérgio Cabral.

Régis Fichtner, um gaúcho, amigo de Cabral, que viria a ser seu suplente de senador e depois até assumiria a cadeira, quando Cabral elegeu-se governador.

O velho prédio onde Adriana foi criada
O velho prédio onde Adriana foi criada


Antes, porém, quando Cabral foi presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Régis Fichtner foi o procurador-geral da casa.

Adriana, amiga e aluna de Fichtner, foi então convidada para assessorá-lo na procuradoria da Alerj.

Não tardou para que ‘João Cabra’ e ‘Lourdinha’ se conhecessem. Ambos casados e depois, ambos separados.

Adriana foi casada com o advogado Sérgio Coelho, que foi seu sócio até 2014.

Sérgio Cabral foi casado com a advogada Suzana Neves, com quem teve três filhos. Um deles é o deputado federal Marco Antônio Cabral, eleito em 2014.

Adriana e Cabral se casaram em 2004, numa festa milionária para mil convidados. Na época, Cabral era senador.
Escritório de Adriana
Escritório de Adriana


Em 2011, Adriana, demonstrando sua índole, teve um sério embate justamente com Régis Fichtner, então chefe da Casa Civil do governo Cabral.

A 1ª dama e o chefe da Casa Civil divergiram sobre a indicação de um nome para uma vaga de ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

Adriana indicou o seu ex-marido, Sérgio Coelho, e Fichtner, sustentou a indicação de seu cunhado, Marco Aurélio Bellizze.

Fichtner venceu a queda de braço.

O embate chegou a provocar a separação do então governador e a 1ª dama.

E, de fato, chegaram a formalizar judicialmente a separação. Depois reataram, mas Adriana virou inimiga de seu mentor, Fichtner, o PMDB do Rio entrou em crise e a derrocada de Sérgio Cabral tomou contornos avassaladores, até a sua renúncia e, mais recentemente, sua desmoralizante prisão e as revelações das inúmeras relações promíscuas de Sérgio e Adriana.

Finalmente, nesta terça-feira (6), foi a vez de Adriana ser recepcionada no complexo de Gericinó.

Amanda Acosta

redacao@jornaldacidadeonline.com.br

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Política