Bolívia quer transformar atendente em ‘bode expiatório’ de crime contra a Chapecoense

O governo boliviano e as investigações que estão sendo efetuadas por aquele país, relacionadas ao acidente que vitimou a equipe da Chapecoense, não merece o mínimo de credibilidade.

Não foi sem motivo que a técnica da Administração Aeroportuária da Bolívia, Célia Castedo, pediu refúgio ao Brasil, no domingo (5), em Corumbá (MS), na fronteira com a Bolívia.

Imediatamente, em tempo recorde, menos de 24 horas, o governo boliviano formalizou um pedido de extradição da funcionária do aeroporto de Santa Cruz de La Sierra.

Avião da Lamia
Avião da Lamia

Percebe-se que o plano era encerrar as investigações com a criminalização de Celia Castedo.

Tentam as autoridades daquele país, evitar que Castedo exponha a sua versão para a Justiça brasileira.

A jovem boliviana já adiantou que existe um plano em curso para criminalizá-la e proteger os verdadeiros culpados.

O Brasil não pode, em hipótese alguma, conceder a extradição.

Não podemos, mais uma vez, proteger as barbáries de Evo Morales e sua trupe.

da Redação

da Redação

Comentários

Mais em Denúncias