Ele defende a submissão da mulher ao homem e é um dos favoritos ao posto de ministro do STF

Em pleno século XXI, a possibilidade de alguém que defende a submissão da mulher ao homem compor a mais alta Corte do país, não deveria sequer ser considerada.


Defender a tal ‘submissão’, trata-se de uma verdadeira barbárie. Algo anormal. Não combina com a postura a ser exigida de um ministro do STF, mormente agora em que a Casa tem como presidente uma mulher.

Ives Gandra Martins Filho, é, sem dúvida, dono de invejável curriculum, mas de pensamentos e ideologia incompatíveis com o mundo atual.

O notável jurista é desfavorável a união homoafetiva, defende a indissolubilidade do casamento e considera que o princípio da autoridade na família está ordenado de forma que a mulher deve obedecer ao marido.

É, indubitavelmente, um homem de ideias ultrapassadas, num tempo em que nem cabem mais tais discussões.

Porém, numa casa em que Dias Toffoli é um de seus membros, tudo é possível...

Amanda Acosta

redacao@jornaldacidadeonline.com.br

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Comentários

Mais em Direito e Justiça