Salvação da Lava Jato é STF simplesmente seguir o regimento

Em caso de sorteio entre os cinco membros da Segunda turma do STF, conforme cogitado pela ministra Cármen Lúcia, a relatoria da Lava Jato ficará para um dos seguintes ministros: Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Celso de Mello ou Edson Facchin, este último que migrou da Primeira turma para a Segunda turma, em substituição a Teori Zavascki.


Diz o regimento que o novo ocupante da vaga remanescente, a ser indicado pelo presidente da República, assume os processos oriundos de seu antecessor.

Por questões óbvias, Temer decidiu aguardar uma definição sobre a relatoria da Lava Jato, para indicar o novo ministro.

Com a migração de Facchin, o indicado assumirá o seu lugar na Primeira turma.

Logo, por analogia, a solução mais adequada é que o novo relator da Lava Jato e de todos os processos que estavam sob a responsabilidade de Teori Zavascki, seja o ministro Edson Facchin.

Assim evitaríamos riscos de que num temerário sorteio a relatoria caia para o petista Toffoli, o dilmista Lewandowski ou o politiqueiro Gilmar Mendes.

Tudo isso, de acordo com o regimento e em salvação a maior operação contra a corrupção da história.

Gonçalo Mendes Neto

redcaao@jornaldacidadeonline.com.br

da Redação

Comentários

Mais em Direito e Justiça