Com 44% de rejeição e réu em cinco processos-crime, Lula perde Marisa na pior fase de sua vida

A ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva morreu nesta sexta-feira (3), aos 66 anos, em São Paulo. A morte ocorreu às 18h57 e foi confirmada pelo Hospital Sírio-Libanês, onde Marisa estava internada desde o dia 24 de janeiro após sofrer um acidente vascular cerebral hemorrágico.

Marisa já tinha histórico de pressão alta. Além disso, fumava e não costumava se exercitar no ritmo indicado.

De acordo com boletim do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, ela estava sem fluxo cerebral. Com o diagnóstico, a família já havia autorizado na quinta (2) procedimento de doação de órgãos da ex-primeira-dama.

Diante da situação "irreversível", como definiu o médico da família, o cardiologista Roberto Kalil Filho, os aparelhos também foram desligados na quinta.

No fim da tarde desta sexta, o padre Júlio Lancelotti foi ao hospital fazer a extrema unção de Marisa Letícia.

O velório da esposa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ocorrerá no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, neste sábado (4), das 9h às 15h. Em seguida, o corpo será cremado em cerimônia particular no Cemitério Jardim da Colina, também em São Bernardo do Campo.

Marisa Letícia Lula da Silva nasceu em São Bernardo do Campo (SP), em 1950.

Marisa começou a trabalhar aos 9 anos como babá na casa de um sobrinho do pintor Cândido Portinari. Cresceu em uma família de 11 irmãos e casou-se aos 19 anos com o taxista Marcos Cláudio da Silva. Três meses depois e grávida do primeiro filho, Marisa ficou viúva depois que o marico foi assassinado durante um assalto.

Em 1973, conheceu Lula no Sindicato dos Metalúrgicos e se casaram sete meses depois. Com Lula, teve três filhos. Também compõem a família Marcos, filho do primeiro marido, e a enteada Lurian, filha de outro relacionamento de Lula. 

O ex-presidente perde a mulher no momento mais difícil de sua vida política. Ele é réu em cinco ações na Justiça e sua rejeição, de 44%, empata na liderança com a do presidente Michel Temer (PMDB), que tem 45%, segundo pesquisa realizada pelo Datafolha em dezembro.

Na Operação Lava Jato, a ex-primeira-dama era ré junto com Lula em duas ações penais sob responsabilidade do juiz Sergio Moro.

da Redação

da Redação

Comentários