Moro contra-ataca e encurrala ministros do STF

Cirúrgico em suas decisões, o juiz Sérgio Moro proferiu nesta sexta-feira (10) uma decisão que enquadra os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), exatamente aqueles que pretendem golpear a Operação Lava Jato, em Curitiba.


É sabido que, desde a morte do então ministro-relator Teori Zavascki, um grupo de oportunistas construiu maioria na Segunda Turma do STF para acabar com as prisões preventivas decretadas na ‘República de Curitiba’.

O objetivo principal era libertar o deputado cassado Eduardo Cunha, do PMDB do Rio de Janeiro, ex-presidente da Câmara dos Deputados, na tentativa de preservar o presidente Michel Temer e seus asseclas palacianos atolados. Trancafiado no xilindró, Cunha ameaça o Palácio do Planalto com uma delação premiada bombástica, capaz de abalar definitivamente a Presidência da República Federativa do Brasil.

Mas, além de manter a prisão preventiva de Eduardo Cunha, Sérgio Moro fez aquilo que o botequim das togas não faz: limitou aos autos sua manifestação grave e histórica. Confira o trecho mais emblemático:

‘A questão real — e é necessário ser franco sobre isso — não é a quantidade, mas a qualidade das prisões propriamente e a qualidade dos presos provisórios. O problema não são as 79 prisões ou os atualmente sete presos sem julgamento, mas sim que se tratam de presos ilustres, por exemplo, um dirigente de empreiteira, um ex-ministro da Fazenda, um ex-governador de Estado, e, no presente caso, um ex-presidente da Câmara dos Deputados. [...] As críticas às prisões preventivas refletem, no fundo, o lamentável entendimento de que HÁ PESSOAS ACIMA DA LEI e que ainda vivemos em uma SOCIEDADE DE CASTAS, distante de nós a igualdade republicana."

Confira a íntegra da extraordinária matéria do editor-chefe Diego Escosteguy, publicada na edição deste final de semana da revista Época: ‘Moro parte para o ataque e dá nó no Supremo’ (Veja aqui). 

Um duríssimo golpe nos doutos defensores da impunidade!

#MoroContraAtaca #BotequimDasTogas

Helder Caldeira

da Redação

Comentários

Mais em Direito e Justiça