Esquema falha e Cunha se desespera

O ex-deputado Eduardo Cunha tinha como favas contadas que sua liberdade seria restituída pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira (15). O ‘esquema’ estava montado.


Um ministro do STF já havia inclusive dado entrevista criticando a longevidade das prisões preventivas. Era o prenúncio da decisão favorável a Cunha.

Entretanto, o juiz Sérgio Moro, sempre atento, ágil e diligente, num despacho magistral, jogou um verdadeiro ‘balde de água fria’ em qualquer intenção de maldade dos ministros da Suprema Corte.

Cirúrgico, Moro proferiu um despacho histórico, enquadrando o ‘botequim das togas’. Confira o trecho mais emblemático:

‘A questão real — e é necessário ser franco sobre isso — não é a quantidade, mas a qualidade das prisões propriamente e a qualidade dos presos provisórios. O problema não são as 79 prisões ou os atualmente sete presos sem julgamento, mas sim que se tratam de presos ilustres, por exemplo, um dirigente de empreiteira, um ex-ministro da Fazenda, um ex-governador de Estado, e, no presente caso, um ex-presidente da Câmara dos Deputados. [...] As críticas às prisões preventivas refletem, no fundo, o lamentável entendimento de que HÁ PESSOAS ACIMA DA LEI e que ainda vivemos em uma SOCIEDADE DE CASTAS, distante de nós a igualdade republicana."

A prisão de Cunha foi mantida por 8 a 1 no STF. 

Nos próximos dias ele tenta mais uma cartada no Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas Cunha já está desesperado.

da Redação

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Comentários

Mais em Variedades