Guerra de nervos: Ofensiva tucana faz Dilma convocar reunião de urgência no Palácio Alvorada

Os presidentes dos partidos aliados ao governo e os líderes da base governista no Congresso, foram chamados em caráter de urgência ao Palácio Alvorada, residência oficial da chefe da nação.

A presidente Dilma Roussef, percebendo o aumento da pressão da oposição, quer mais empenho na sua defesa e resolveu tratar pessoalmente do assunto, antes de realizar viagem oficial prevista para esta terça-feira (7), para a Rússia e Itália, com retorno previsto apenas para o próximo final de semana.

No domingo, durante convenção nacional do PSDB, os tucanos previram o fim precoce do governo Dilma. Os principais líderes da sigla manifestaram que o partido está pronto para "ir até o fim" e assumir o comando do país.

O próprio ex-presidente Fernando Henrique Cardoso diagnosticou uma provável cassação de Dilma. FHC afirmou ainda que "o rumo foi perdido" e que "o Brasil foi quebrado pelo PT, pelo 'lulopetismo'".

O PSDB, apesar da ofensiva, busca um equilíbrio para não correr o risco de ser taxado de "golpista" e para não incorrer novamente no erro de 2005, no episódio do Mensalão, quando resistiu à pressão para encampar o pedido de impeachment do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e depois foi surpreendido com a fulminante recuperação de popularidade do petista.

Reeleito para o comando do partido, o senador Aécio Neves (MG) disse que o PSDB terá "coragem para fazer o que tem que ser feito" e que deve se preparar porque, "em breve", deixará de ser oposição para "ser governo". "[O PSDB] não pode temer o futuro. (...) Hoje somos a oposição a favor do Brasil. Mas se preparem. Dentro de muito pouco tempo, não seremos mais a oposição, vamos ser governo. O PSDB é o futuro", concluiu.

da Redação

Comentários